Eu apoio Mário Bittencourt

Eu não costumo escrever, nem aqui, muito menos no Globoesporte, posts relacionados à política do Fluminense.

Primeiro porque não gosto do assunto, segundo porque minha praia é campo e bola, de preferência, indo pra rede adversária.

Mas sábado tem eleição no Fluminense. Eleição para presidente.

E, como sempre faço em relação a todos os assuntos, vou me posicionar.

Em favor do candidato Mário Bittencourt.

E aqui explicito os motivos:

– O Plano de Gestão de Mário Bittencourt é o mais bem elaborado

Começo informando que não consegui encontrar o Plano de Gestão do candidato Celso Barros.

O candidato da Flusócio, Pedro Abad tem o apoio do presidente Peter. É a continuidade dessa gestão. A Flusócio sempre foi base de apoio do presidente Peter.

No site da candidatura (www.abadpresidente.com.br) aparecem algumas das propostas do candidato Pedro Abad:

– Novo modelo de futebol (comentarei abaixo sobre isso, já que é a parte mais importante)

– Fortalecimento do Marketing

– Integração e aproximação da torcida pelo Brasil

– Gestão eficiente e transparente

Começo pelo fim. Depois de 6 anos no clube estão prometendo gestão eficiente e transparente?

Reconhecem a ineficiência e falta de transparência dessa gestão, mas pedem seu voto pela continuidade?

O fortalecimento do marketing e a integração e aproximação da torcida pelo Brasil são igualmente necessários, mas também foram 6 anos na gestão e nada de concreto.

Aliás se a gente pegar o que a Flusócio propunha, em 2010, pra eleger um candidato com perfil executivo e adepto de novas práticas de gestão e governança, era exatamente isso.

2010 amigos. Há 6 anos a proposta era exatamente essa. Ou seja, foi feito um CTRL C, CTRL V de 6 anos atrás pra te pedir mais 3 anos.

O Planejamento Estratégico do candidato Pedro Abad sequer possui a missão, a visão e os valores que norteiam o Fluminense. É realmente o continuísmo de um clube sem norte, sem meta (também não há meta no Plano de Gestão do candidato), sem gestão.

Mário Bittencourt demorou pra lançar sua candidatura.

Conversou, pesquisou, se reuniu com muita gente.

Dessa forma, construiu um plano de gestão muito bem elaborado. No seu site de campanha (www.ofluminensemedomina.com.br) há um plano de gestão que começa na missão, visão e valores que devem nortear a organização, passa pelos projetos que serão implementados no Fluminense e chega no objetivo final com o Projeto Libertadores.

São vários projetos nos quais acredito muito e destaco alguns (vale muito a pena entrar no site e ler):

– Criação de um grupo consultivo (G7) com a participação do Carlos Alberto Parreira (excelente nome)

– Criar uma integração de Xerém com o Futsal, com o Futsal fazendo parte da estrutura do futebol em vez de estar na estrutura dos esportes olímpicos.

– Criar a Escola do Fluminense. Ideia já utilizada com sucesso em outros clubes.

Não sei se está no escopo dessa escola, mas como caráter inovador eu acredito que nossos garotos devem ter aulas também de futebol para que criemos meninos que entendam o jogo que jogam. Jogadores pensantes, inteligentes e rápidos na tomada de decisão podem ter sua formação de campo complementada com aulas teóricas sobre o jogo de futebol.

– Integração do Departamento Médico com a base – Projeto de Saúde com o Dr. Michael Simoni

– Plano de metas para resultado e premiações

– Montagem de um planejamento estratégico para o futebol

– Criação do Centro de inteligência do Futebol do Fluminense. Pauta nossa na Flupress há tempos.

Comparando os dois planos de Gestão verifica-se de forma clara quem mais se preparou e se planejou para enfrentar esse enorme desafio. E foi o Mário.

– A Defesa institucional será mais bem feita pelo Mário

A gestão atual é muito fraca nesse sentido.

A defesa institucional do Fluminense era muito criticada por todos na gestão Horcades e o avanço nessa área foi nulo nos últimos 6 anos.

O auge foi em 2013. Peter, aconselhado por um desses estrategistas políticos que não conhecem o modelo de negócio em que está metido, fez um silêncio constrangedor no caso André Santos, que nos envergonhou, nos humilhou, pôs, inclusive, a integridade física do torcedor do Fluminense em risco.

Mário Bittencourt nos representou muito bem nos tribunais, e, principalmente fora dele. Firme, aguerrido, apaixonado, contundente. Cada entrevista era um alívio para o nosso torcedor e uma paulada na crítica. Foram, gols fora de campo.

O Fluminense atual acha que tripudiar do adversário é fazer defesa institucional.

E Defesa Institucional é um conceito bem mais amplo do que apenas defender a imagem do clube em certas ocasiões.

Defesa Institucional é defender os interesses do clube sempre.

Não vender mando de campo criando desvantagem competitiva é fazer defesa institucional.

Não adiar jogos para seu adversário se reforçar é fazer defesa institucional.

Não assinar contratos lesivos ao clube ou que promovem desequilíbrios na distribuição de recursos é fazer defesa institucional.

Preservar os ídolos do Fluminense é fazer defesa institucional.

Não tomar nenhuma atitude que manche a imagem do clube é fazer defesa institucional.

O candidato da situação, Pedro Abad, diz que Peter continuará representando o Fluminense em algumas oportunidades.

E aí me vem a cabeça PGFN, Unimed, Matte Vitton, Maracanã, Adidas, Dry World, FERJ, duas renovações com a Globo que criaram um abismo financeiro entre os times sem ao menos ter brigado, ter tentando liderar algum processo.

Não. Eu não quero o Peter negociando nada pelo Fluminense. E acho que o Pedro Abad terá muita dificuldade pra se impor diante de dirigentes mais cascudos, mais acostumados com o modus operandi do futebol brasileiro. A mesma que o Peter tem até hoje.

E dos 3 candidatos, o Mário é aquele em quem eu mais confio pra representar o clube (ele pode representar o clube integralmente, sem ressalva). Entende como funciona o meio, tem vivência, é conhecido e respeitado no futebol. Está nisso há muito tempo.

E tem um histórico de luta sempre ao lado do Fluminense, defendendo seus interesses e com excelente histórico de serviços prestados.

– Gestão de Pessoas

No Curso de Gestão da Universidade do Futebol o Coordenador do Curso, João Paulo Medina abre a aula sobre gestão de pessoas com essa frase: “ Em contato com renomados treinadores e executivos de futebol de diferentes nacionalidades, ouvimos de forma quase unânime que a questão da gestão de pessoas é o aspecto mais decisivo para o sucesso de seus trabalhos.”

A gestão Peter é um caos. De Muricy a Fred os casos são muitos.

Recentemente Fred declarou apoio ao Mário e Eduardo Baptista na ESPN confirmou que o clube é muito complicado para trabalhar e isentou o Mário, com quem tem ótimo relacionamento segundo suas palavras.

Difícil imaginar uma gestão com Abad presidente, sob influência de Peter, Pedro Antônio, Cacá Cardoso, seu grupo e a Flusócio. A chance de conflito e problema de gerenciamento é muito grande.

Pedro Abad ainda teria que construir uma relação de confiança (sendo a continuidade de um presidente que poucos confiam) com os jogadores.

Um passo que Mário já deu e larga na frente, também nesse quesito.

– Futebol

 Finalizo com o futebol. A razão de ser do Fluminense.

Celso Barros (fundamental na história do Fluminense) não mostrou de que forma vai fazer futebol sem um aporte de milhões de reais anuais para o Fluminense. O apoio ao Celso por causa do futebol é um tiro no escuro.

Abad diz que vai fazer um futebol diferente. A contradição começa aí. Acho que todos, inclusive a Flusócio, concordam que o futebol é a prioridade 1, 2, 3 do Fluminense, mesmo que na prática isso não tenha ocorrido.

Ou seja, Abad e seu grupo tentam, apenas nesse assunto, se desvencilhar da gestão que apoiaram durante 6 anos e faz tanto mal ao nosso futebol.

Mário esteve no futebol do Fluminense em 2009 junto com Tenório naquela missão impossível e recentemente em 2014, 2015 e início de 2016.

Aliás, Peter teve muitos treinadores e gestores. Em alguns momentos todos saíram como vilões e o presidente foi poupado pelo seu grupo de apoio.

Discordei e discordo de algumas contratações feitas pelo Fluminense no período em que o Mário foi vice presidente.

Mas não sou criança. Mário era parte de uma equipe. Peter, Mário, Simone (que foi da Flusócio e era ligado ao grupo que diz nunca ter participado do futebol) e o treinador da vez tomavam decisões, discutiam contratações.

A tese de que o Mário passava por cima desses caras todos e colocava jogador no clube não tem como prosperar. É desconhecer por completo como as coisas funcionam.

A crítica que eu fiz e que faço é que podia e devia ter dito alguns “nãos”.

Mas quem trabalha diretamente com isso vai errar e acertar. É do jogo.

No caso do Mário há um atenuante. Mário fez futebol sem dinheiro pra contratar. Só podia contratar de graça em 2015.

Em 2016 estava com Fred, veio o Diego Souza. Foram poucas e pontuais contratações, até o Peter entrar no jogo, detonar o orçamento (confirmado pelo próprio Pedro Abad em audio vazado de um grupo), sem rendimento esportivo.

O Fluminense, depois que o Mário saiu, mandou embora os 2 artilheiros do campenato.

Vamos profissionalizar o futebol! Cacá já dizia isso e Abad repete o mantra, com toda certeza para fazer o torcedor pensar que com o Mário não havia profissionalismo.

Parece discurso de quem não sabe o caminho.

Excetuando o presidente e o vice, todos ali são remunerados. O nosso futebol é profissional.

O que a gente precisa é de um novo modelo. Esse discurso é comum. E o correto. Precisamos mesmo.

O que Abad diz nas entrevistas e chama de novo modelo é um comitê que será formado por Presidente, Vice de futebol, um gerente e o treinador que decidirão em conjunto.

Isso é mais do mesmo. Isso já é feito. Essa é a estrutura vigente. Mudarão apenas as pessoas.

E o que Mário propõe?

Além desses profissionais citados, Mário propõe um G7 com a participação do Parreira e a criação do Centro de Inteligência com uma estrutura de mapeamento e captação que precisa ser maior do que a dos adversários.

Mário foi o único candidato que falou (em entrevista à flupress no Globoesporte) que o Fluminense precisa de mais gente.

É matemática. Se alguns clubes possuem três vezes mais receita, duas vezes mais bilheteria, o Fluminense tem 1 caminho:

– Aumentar sua estrutura de pessoal pra pensar futebol, ver futebol, estudar futebol, respirar futebol.

E foi isso que Mário fez no seu plano de gestão.

E é nisso que eu acredito.

Razões expostas.

 

Tabelinha

– Após a eleição de sábado estarei torcendo fervorosamente pelo sucesso do novo presidente do Fluminense. Aqui e no Globoesporte (se o Gustavo deixar, rs) continuarei tentando ajudar com críticas ( tem gente que não gosta, mas elas são importantes) e ideias. Como disse no meu último post lá: O Fluminense precisa de uma revolução!

Saudações Tricolores

Blog do torcedor do flu no Globoesporte, Futebolzinho.com. Gestão Técnica de Futebol e Análise de Desempenho pela Universidade do Futebol.

Comments

  1. Carlos Gaia

    Estava triste pq não vou poder votar, mas pensando bem, estou sendo poupado dessa decisão.

    Que o ganhador do pleito, faça com que nós todos voltemos a ter orgulho do futebol.

    ST

  2. Michel Mengo

    Torço que tudo dê certo para o Fluminense. Concordo que depois de 6 anos, precisamos de ares novos. É o ciclo natural para podermos evoluir…

  3. Alan Cordeiro

    Michel tem um ponto bom e Dede, fecho contigo. Acho que (apesar de nao ter muita informacao interna sobre politica) o Peter e cia devem ceder o lugar para outros desta vez. Do jeito que esta, nao pode mais ficar.

    1. Dedé Moreira Post author

      Exatamente Alan.

      Já deu, já teve sua oportunidade. E no futebol foi muito mal. Hora de mudar

  4. Fernanda Souza

    Dedé, voce é um cara que deve acompanhar de perto o clube… se apoia o cara, é pq tem credibilidade em prol do Fluminense. Com isso, vou na sua e apoio!

    1. Dedé Moreira Post author

      É um apoio com muita segurança de que é o melhor dos três nomes.

      Mas é um apoio em tom de cobrança, se ganhar estarei cobrando desde o primeiro dia.

  5. Marcos Cruz

    BOA TARDE. PERGUNTA: MB TEM VÁRIAS ACUSAÇÕES DE TRABALHAR COM AGENCIAMENTO DE ATLETAS, DUAS EMPRESAS PARA TAL E FORTES LIGAÇÕES COM EDUARDO URAM E FRANCIS MELO. TEM ALGUMA INFORMAÇÃO SOBRE O ASSUNTO Q POSSA AJUDAR A ELUCIDAR A QUESTÃO? OBG. ST

    1. Dedé Moreira Post author

      Marcos, quem acusa precisa provar.

      Não há um jogador agenciado pelo Mário. Quem acusou não conseguiu fornecer um nome.

      Mário disse que abriu as empresas, que queria trabalhar com gestão, mas nunca operou. Mostrou inclusive as declarações de IR dos últimos 4 anos.
      Nenhuma operação.

  6. Guilherme Milone Silva

    Obrigado Dedé!
    Confesso que os insucessos do Flu quando Mario esteve à frente do futebol me deixaram muito desconfiado na chapa.
    Entretanto uma análise mais demorada como a sua demonstra um compromisso com o futuro e uma clara noção de como chegar lá.
    Este é o conceito de excelência.
    Mudei de ideia e votarei no Mario.
    Farei campanha também.
    Saudações tricolores

    1. Dedé Moreira Post author

      Valeu Guilherme.

      Muito à vontade com esse apoio porque o critiquei em todas as vezes que achei que mereceu críticas.

      Mas pra mim é o melhor perfil, melhor plano como expliquei no post

  7. Diogo Lindner

    Apesar de não ser torcedor do clube, frequento desde garoto por morar perto. Sinceramente não tenho muito a reclamar das reformas que foram feitas recentemente, mas concordo que o clube merece melhorias externas (calçada, iluminação, pintura…).

    Mas não vejo esse problema sendo exclusivo do Fluminense. Caixa 2 sempre existiu e sempre existirá, mas parece que ultimamente em qualquer setor, esta situação está meio fora de controle. Vide o Cabral sendo exposto com mesadas de milhoes por mes “milhoes”! Peço que o mundo acorde um pouco.

    1. Dedé Moreira Post author

      Diogo, posso ser bem sincero?

      Eu só me preocupo com o futebol.

      O Peter deixa um Fluminense menor do que pegou.

      Menos torcida em comparação com rivais
      Sem patrocínio master
      Sem título importante há 4 anos
      Sem jogar a libertadores há 4 anos

  8. Haroldo Silis

    Espero que se o Mario não alcance o triunfo que suas excelentes ideias não sejam menosprezadas pelo vencedor. Há muita coisa boa listada que agregam valores e podem reconduzir o Fluminense ao norte.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*