Ok, vamos falar do Abel …

Se eu fosse o Abel, não entraria com o Orejuela, jogador no início endeusado, mas agora execrado.

Também entraria com o Wellington Silva de saída, que na minha opinião tem que jogar em qualquer escalação do Fluminense. Mas quando ele joga, todo mundo diz que está desligado do jogo, pensando no exame médico europeu, incomodado porque não saiu.

Entraria com o Wendel, que quando joga todo mundo reclama dele, diz que é moleque e descompromissado. Mas que quando não joga vira sempre a melhor opção. Aliás, eu jamais faria a execração pública que foi feita em cima de um menino talentoso recém subido, de forma inadequada e prematura, sendo tratado até como salvação financeira. Na prática, este tipo de atitude não tende a melhorar nada a situação psicológica do jogador, se era esse mesmo o problema apresentado por ele. Fui extremamente discordante da atitude do Abel no caso.

Eu também acho que, pelo estado em que as coisas chegaram, é mais importante garantir não cair do que tentar uma remota chance de vencer a Sul-Americana. Mas é uma decisão difícil, dada a necessidade sufocante do Fluminense de vencer uma competição internacional. Certamente estarei longe de ser unanimidade. E, mais, esta decisão é estratégica do clube e não do treinador. Acho pouco provável que, seja qual for, foi ou será uma decisão dele.

E falando em Sul-Americana, também acho que assim como em 2009, era hora de dar o gás final e jogar com o time considerado titular todo o jogo e treinar integral todo dia, mas o departamento médico, não. Diz que tá todo mundo estourando músculo. Não tenho como discutir tecnicamente isto. Não vi os exames médicos dos jogadores e, se visse, não saberia avaliar. No mais, tem alguém que está disputando torneios diferentes com as mesmas escalações? Não, né?

Enfim, eu “acho” um monte de coisas e entendo até que tenho algum conhecimento para opinar e, modéstia à parte, com chances de acertar, em minhas teorias em relação ao trabalho de treinadores junto com as opções que tem, mesmo que apenas com base na visão dos jogos (pela TV, a grande maioria deles) e até de números, que são importantíssimos, como os que o Dedé demonstra em suas colunas, no seu excelente trabalho.

Mas tem quatro coisinhas que eu tenho que ter a humildade de admitir:

1 – O Abel tem mais cancha e resultado profissional no que ele faz do que eu. Aliás, é até ridículo comparar. Isto não quer dizer que todos nós, torcedores ou não, não possamos dar os nossos pitacos e  nossas cornetadas que ele, sendo um bom profissional, deve ouvir e refletir a respeito, mas certamente avalia também com base em coisas que nós não vemos e consequentemente não consideramos.

2 – O Abel convive com estes jogadores todos os dias. Quando é possível treinar, é ele que vê, com a sua comissão técnica, quem tem ou não tem condições de jogar dentro do seu plano de jogo. Isto quer dizer que ele não vai errar e que as cornetadas estavam erradas? Claro que não. Mas quer dizer que ele sabe muito mais do que eu o que realmente acontece. Equipe se define no treino e não na opinião de quem está de fora.

3 – É ele que decide e tem a responsabilidade. Pelo menos é o que esperamos e é o que ele faz questão de trazer pra ele. É muito mais fácil pra mim analisar em cima daquilo que eu acho que deveria ser ou, pior, como faz a maioria, depois do resultado negativo. Se eu cornetar e estiver errado e ele certo, ninguém vai me execrar, me chamar de burro (só o lado torcedor, este me inferniza), me demitir ou, pior, me usar como “bucha”. E eu já cornetei e errei um monte, amigos. Não deve ser exclusividade minha, com certeza … no final, como torcedor, mesmo quando corneto erradamente, saio comemorando como se nada tivesse acontecido … é bem mais simples pra mim, né? Não sou eu que “boto a cara a tapa”, usando um termo antiquado.

4 – Sim, ele ganha pra isso, pediu e pagaram, tem um currículo vencedor e tem que tentar fazer melhor, sempre. O endeusado Guardiola ganha mais do que ele, tem jogadores muito melhores do que ele tem e, outro dia mesmo, li algo sobre inadequação, escolhas táticas erradas,  problemas com jogadores etc.., enfim, resultados fora da expectativa. O Tite vai muito bem, com méritos inequívocos, trabalhando com um grupo que ele pode escolher entre os melhores jogadores Brasileiros, que continuo considerando os melhores do mundo. Mas mesmo na seleção, não resistiria a uma quantidade X de resultados negativos, que certamente teria alguma responsabilidade sobre eles, como aconteceu em clubes que passou.

Também sou da teoria que achar culpados não resolve nada e, pior, é utilizado pelos verdadeiros responsáveis como uma forma de se proteger dos insucessos de todo um trabalho errado.

Abel, mesmo fazendo uma indicação ou outra, atendida ou não, trabalha com o elenco que é entregue a ele. Na prática, são os departamentos de futebol os responsáveis por esta formação. As limitações de elenco não são impostas pelos treinadores, nunca. E a verdade é que o Fluminense, hoje, NÃO TEM ELENCO COMPATÍVEL COM A EXPECTATIVA DO SEU TORCEDOR. Não formou elenco para vencer nada este ano e eu vejo as pessoas sempre cobrando de uma pessoa só, um “bucha”, seja por avaliação errada da situação, ou por interesses internos.

Muitos tricolores estão caindo na pilha errada.

Abel teria sempre o álibi de demonstrar que não tem time pra ganhar Todos os treinadores têm, aliás, muitos fazem pra se proteger, não seria mais fácil? Mas o que tem feito recorrentemente é dizer o contrário, protegendo a direção do clube e, mais importante ainda, protegendo de alguma forma a imagem dos jogadores para fora (exceto no caso Wendel), reduzindo uma pressão que, de fato, não se transforma em energia positiva.

No mais, alguém acha, realmente, que o Abel é um técnico incompatível com o Fluminense?

Se sim, enfim, que se troque de novo … que se mande mais um embora junto com os problemas, renovando-os e não os resolvendo. O Cuca tá aí, livre. É um grande técnico, especialista em tirar times de situações difíceis, já experimentamos isso, quem não se lembra de 2009? Talvez ele possa fazer um trabalho melhor, mesmo com este elenco que o Abel tem nas mãos.

Mas para elevar o Fluminense ao papel que a torcida espera dele, não vai ser o técnico A ou B e sim o elenco, com opções e condições de ganhar títulos, todos que o Fluminense disputar. É isso que o torcedor espera e é isso que vai trazer ele de novo pra perto do clube. Se vai ganhar ou não é outro ponto, mas tem que ter no mínimo condições pra isso.

Sem estas condições, o que virá depois do Abel sairá novamente dentro do costumeiro prazo de validade.

Ex-jogador, auxiliar técnico e instrutor de futebol, escrevendo sobre o tema há mais de 20 anos. Torcedor do Fluminense Football Club.

Comments

  1. Carlos Gaia

    Nem acho o elenco mais fraco que a média.
    Mas algumas escolhas podem ter sido equivocadas.
    Danielzinho seria melhor pro lugar do Sornoza?
    Quem sabe….quantas oportunidades teve de sair jogando e quantas partidas seguidas? Já o Lucas, Leo, Orejuella, M Jr estão aí entrando e não entregando o que se espera.

    Enfim foram as escolhas feitas….que parece faltar treinamento, isso é muito claro, eles não sabem o que fazer, pois se sabem, não estão sabendo executar.

    Muito dura nossa realidade.

    ST