O voto dos indecisos e as segundas intenções da diretoria

Voto dos indecisos na eleição do VascoA Diretoria fez uma pesquisa, via telefone, com 1000 sócios do clube. Pelo resultado, o Dotô tem 53% da intenções de voto. A chapa formada por Brant/Campello  teria 18% e Fernando Horta, 10%. Os indecisos seriam mais numerosos que os eleitores das chapas de oposição (19%).

Não entremos no mérito da metodologia das pesquisas, ainda que a pesquisa da oposição tenha sido encomendada a um instituto independente e a da diretoria tenha sido feita por ela mesma. Não sabendo os critérios utilizados para selecionar quem foi abordado nos dois casos, vamos dar o benefício da dúvida para ambas. Mesmo que a diretoria tenha diversas informações sobre o quadro social e possa ter escolhido para quem ligou.

Ignorando para quem a diretoria ligou perguntando sua intenção de voto, ainda fica uma dúvida. Nos últimos anos, vários sócios não puderam pagar suas mensalidades por não receberem os boletos. Esses, quando tentavam resolver a situação, encontraram um monte de empecilhos. Muitos acabaram excluídos do quadro social por inadimplência, mesmo tentando arduamente resolver a situação. O problema aconteceu, por exemplo, com Julio Brant, que precisou depositar as mensalidades em juízo para continuar como sócio do Vasco.

Diante disso tudo, a pergunta: que sócio, ao ser perguntado pela diretoria em quem votará, se sentiria confortável em se declarar eleitor da oposição? Sendo uma pesquisa feita PELA DIRETORIA, é até um milagre 47% dos pesquisados ainda dizerem que não votarão no Dotô.

As duas pesquisas mostraram um número significativo de indecisos. Se uma delas, a poucos dias da votação, mostra um candidato com mais da metade das intenções de voto, quem ainda não se decidiu pode ter duas reações: votar no que está na frente ou nem se dar ao trabalho de ir ao clube no dia da eleição.

Ou seja, divulgar uma “pesquisa” com esses números, a cinco dias da votação, tem um objetivo claro: influenciar os indecisos. Quem está tão seguro de uma vitória fácil nas urnas, não precisa desse expediente. Isso só pode significar uma coisa: o Dotô não está tão certo de que terá os votos que precisa para se reeleger. Isso torna o voto de quem ainda não definiu seu candidato ainda mais importante. A eleição ainda não está definida, assim como o futuro do Vasco.