Chamem o Síndico

 

O Fluminense perdeu mais uma.

Isso é notícia velha… 2017 por sorte não foi 1996. Não vou comentar do jogo pois tirando o grande gol de bicicleta, o time hoje reflete o desânimo da torcida.

Recado direto e sem rodeio para a Flusócio. Falo por mim e por muitos tricolores que conheço: Não criticamos vocês, por achar que são má pessoas, ou alguem que estejam no clube com o intuito de prejudicar esta amada instituição centenária. Não temos dúvida que são pessoas de boa índole.

Criticamos vocês, simplismente pois estão fazendo um trabalho com péssimos resultados! A tabela do Brasileirão é o relatório do excel que mede a produtividade como em qualquer empresa. Tenho absoluta certeza que a sua intenção é das melhores, se livrando de jogadores caros, contratando baratos com a visão de vender e fazer um cascalho.

Bom, vou compartilhar uma coisa que já aprendi em minhas jornadas de trabalho… Às vezes ideias que fazem todo sentido no papel, não conseguem ser executadas pelas variáveis da vida. Lembrem-se das 3 vértices que unem clientes e empresas. Financeiro, Relação do cliente com a marca e Relação da marca com o cliente.

Financeiro: Ir a um jogo é caro, mas entendo que é a realidade nova. Trocamos o Maraca pelo Engenhão da Tijuca Gourmet.

Cliente com a Marca: O time é fraco e sem atrativo. Vamos aos jogos pela camisa. O único que sabe dar uma promovida de leve é o Dourado com a comemoração icônica. Vemos um projeto de jogador chamado Scarpa já reclamando da torcida, no lugar de vender o ingresso. Torcedor é apaixonado e fácil de conquistar. Falta orientação.

Marca com o Cliente: Infelizmente eu tenho conta no twitter para ver brigas e xingamentos de pessoas que não sabem manter a compostura. A marca trata o cliente mal. Depois vem pedir para comparecer ao jogo.

Hoje o Fluminense é um produto ruim. Nem seu cliente principal quer comprar. Vivemos uma Guaranização do Fluminense.

Palmas por ter fechado patrocínios pontuais. Universal Orlando Resort foi fantástica. Ninguém diz que estão querendo prejudicar o clube, mas resultados mostram que o time é fraco demais, além de deixarem o Abel tomando pancada sozinho nas entrevistas. Hoje termos um time completamente desconectado com a torcida.

Horta montou a máquina com relacionamentos, Unimed trouxe o Romário quando era a quarta força em planos de saúde. Chamem parceiros que entedam do mundo da bola, esqueçam as planilhas de excel, benchmarks e profits… chamem o síndico!

Comments

  1. Alan Cordeiro

    Se o fluminense fosse empresa voltada para lucro, a Flusocio já teria sido removida pelos acionistas. Além de terem diminuído a qualidade do produto, ainda sofrem para pagar dívidas e alavancar receita. Diminuir custo nem sempre é a melhor saída pra aumentar lucro.

    1. Antônio Ramos

      Nunca é, Alan. Empreender não é diminuir custos e sim alavancar a matriz de receitas. Beabá básico. Mas é preciso ter pessoas que empreendam e não que tenham apenas expectativa de poder. Precisamos de gente incomodada. Hoje, a gestão do Fluminense é mais preparada para justificar fracassos do que para implementar sucessos. Falta perfil empreendedor em quem dirige o clube. O último foi o Pedro Antônio … cansou e chutou o balde … foi defenestrado …