Numa noite em que Diego Alves brilhou com defesas importantíssimas e Henrique Dourado teve sua melhor atuação com a camisa do Flamengo, garantindo sua ausência na próxima partida, o time escalado com seis garotos da base enfrentou o Palmeiras no Allianz Parque e, talvez por isso, tenha começado a partida de forma desligada.

Diante do contexto do jogo, no entanto, não há por que reclamar do empate. Após o início apagado, o time conseguiu encontrar o ponto de equilíbrio e enfrentou o adversário em casa, também com muitos desfalques, de igual pra igual. Valeu pela manutenção da liderança e a tranquilidade de uma ainda grande folga na pontuação nesse hiato da Copa do Mundo. A molecada representou bem, jogando como gente grande.





Futebol é onze contra doze

Reproduzo aqui, transcrição do trecho da súmula do árbitro que justifica a expulsão de Cuellar:

Com o jogo paralisado em um ato continuo, o mesmo revidou empurrando o peito do seu adversário o atleta nº 7 (Dudu), com uso de força excessiva. iniciando assim um confronto coletivo entre as equipes.após ser expulso o mesmo deixou as imediações do campo de jogo sem oferecer resistência.

A mesma súmula cita a entrada de Felipe Melo em Vinícius Jr. como sendo uma “jogada temerária”.

Após a confusão, quando o Flamengo atacaria o Palmeiras com um jogador de linha no gol, o juiz termina a partida. Mas é a favor do Flamengo que eles roubam, segundo dizem.

Vai ter Copa

Por isso, aviso aos meus três leitores que a coluna vai dar aquela paradinha básica pra ver Tunísia x Panamá e outros clássicos, voltando em 19/07 para comentar o jogo contra o São Paulo. Até lá.

Felipe Maynard avatar

Carioca, rubro-negro, jornalista de formação, analista de sistemas por necessidade e pai de três