Osgarmo, o precoce, é um personagem criado pelo desenhista Angeli, que apareceu em muitas publicações do autor para tirinhas da Folha de São Paulo nos anos 80 e 90. Como o nome sugere, a principal característica de Osgarmo é exatamente essa que seu predicado insinua. O Flamengo no jogo de ontem à noite, contra o Santos, me lembrou o personagem.

É histórica a dificuldade – não só do Flamengo – que há em vencer o Santos na Vila Belmiro. Impossível, também, não lembrar do épico e inesquecível jogo entre as duas equipes em 2011. Mas voltemos ao presente; embora a dificuldade exista, e sempre existirá, o Flamengo após o rápido gol (olha o Osgarmo aí­) simplesmente deixou o Santos jogar e, novamente, não se interessou em ampliar o placar. Não demorou muito e Rodrygo, em uma bela jogada, deu um presente para Gabriel empatar.





Mas na contramão do que andei lendo no pós-jogo, não achei o time horroroso. Talvez essa impressão tenha sido passada pela flagrante queda de rendimento de Lucas Paquetá, que não vem bem desde o retorno da Copa. Paquetá, aliás, aos poucos torna-se o espelho e projeção do que será a postura do Flamengo no jogo, a exemplo do que Diego era até há pouco tempo: quando ele vai mal, o desempenho do time o acompanha no mau rendimento. Diego, aliás, não estava mal, enquanto teve fôlego. Aguentou a pressão da sua ex-torcida e não se deixou abater por ela. Mas seu cansaço serve de alerta para o mês que se aproxima. Não temos peças de qualidade para o elenco rodar a contento no rally que em breve enfrentaremos. Guerrero segue sendo uma figura decorativa no ataque, mais inofensivo do que um leão desdentado, embora no jogo de ontem a bola mal tenha chegado a seus pés. Matheus Sávio mostrou que o que rolou no sábado passado, contra o Botafogo, foi causado por uma conjunção planetária que não se repetirá neste século.

Antes de terminar, queria citar quem não jogou. Afinal, o que houve com o Jean Lucas? Antes do recesso, estava sendo aproveitado sempre e agora está atrás do Arão na fila. Alguém pode me iluminar a respeito do assunto?

Seguimos na liderança (a coluna fecha antes do jogo do SPFC) e, embora sintamos que poderíamos ter ganho e jogado melhor, o resultado não foi nenhuma tragédia. Mas que, no próximo compromisso, Osgarmo tenha gás para dar pelo menos três.

Felipe Maynard avatar

Carioca, rubro-negro, jornalista de formação, analista de sistemas por necessidade e pai de três