Share This Post

Beque Parado / Flamengo

Melhor do que ontem, pior do que amanhã

Mantendo a invencibilidade em clássicos no Mané Garrincha, o Flamengo venceu com relativa tranquilidade o Fluminense e abriu inacreditáveis cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado, cujo nome não se pronuncia. Fora a óbvia felicidade pela manutenção da liderança, o que me deixou bastante satisfeito foi novamente a postura do time em campo, num jogo em que seria normal dizer que é o tipo de partida na qual perdemos pontos preciosos de bobeira.

Ok, poderíamos ter aproveitado a postura defensiva do adversário e resolvido a parada ainda no primeiro tempo. Cabe ao Maurício Barbieri não se contaminar pela euforia e dar uma enquadrada de leve na turma; o excesso de firulas num jogo costuma ser punido de forma severa. Nossa sorte é que do outro lado estava um time ruim, mas muito ruim.





Até que aos 28 minutos da primeira etapa, Marlon deixou Marlos tomar a frente e cometeu um pênalti que poderia ser evitado. Foi inocente, o garoto. Deve ter achado que quem vinha era o Vinícius Junior. Se soubesse que era o colombiano, tinha deixado passar, já que fatalmente ele ia se enrolar sozinho. Pênalti indiscutível, cobrado com a costumeira classe pelo Dourado. Menção honrosa ao atacante por essa cobrança em especial, pois o sangue frio e seu inegável talento com o fundamento o fizeram marcar em cima de um goleiro com quem treinava bastante até há pouco tempo. Não é fácil. Merece ilustrar a coluna da semana.

No segundo tempo, jogando com menos firula e mais seriedade, o time chegou ao segundo gol e, após bola perdida por Robinho, o que se viu foi uma contra-ataque fulminante, com tabelinha de Everton Ribeiro e Paquetá e, por fim, a conclusão de Felipe Vizeu, que ainda trazia colado ao corpo pedaços do plástico-bolha que o embalava para a viagem à Itália.

Domingo tem mais. Nada de salto alto, ainda mais contra o Paraná, time que costuma nos dar alguns sustos. Não teremos Paquetá em campo. Mas que tenhamos a mesma postura em mente.

Papelão

Pra não dizer que eu não falei dos micos, o que foi aquele protagonizado por Rhodolfo e Renê? Precisava mesmo daquilo, contra um time simplesmente horroroso? E em grave erro da arbitragem, Rodinei acerta em cheio uma cotovelada em João Carlos. Deveria ter sido expulso.

The Voice Kids

Essa safra 2018 da nossa base tá mais rica do que grand cru da Romanée-Conti, hein. Parabéns pra molecada.

E pensar que…

… ano passado o Cuellar era banco do Marcio Araújo.

Share This Post

Felipe Maynard avatar
Carioca, rubro-negro, jornalista de formação, analista de sistemas por necessidade e pai de três