Share This Post

Flapress

Barbieri não se priva de se posicionar e sobe o tom em pré-jogo polêmico: “Há coisas que não têm explicação”

Barbieri não se priva de se posicionar e sobe o tom em pré-jogo polêmico: “Há coisas que não têm explicação”

Polêmica não falta. Flamengo e Corinthians estão em estado de ebulição para o duelo de quarta-feira, no Maracanã, pela semifinal da Copa do Brasil. E Maurício Barbieri não ficou fora do jogo de palavras que já passou por Bandeira de Mello, Andrés Sanches e até mesmo Tite. Cuellar, Paquetá, CBF, Fágner, trio de arbitragem…

– Já começa quente…





A primeira frase do treinador ao comentar a entrevista coletiva nesta terça-feira, no Ninho do Urubu, deu o tom do que vinha pela frente. O treinamento que definirá a equipe que encara o Timão, às 21h45 (de Brasília), no Maracanã, ficou em segundo plano. O primeiro tema? O esforço para ter Cuéllar e Paquetá à disposição:

-Frisei que é absurdo em função do calendário. Não quero ser repetitivo, mas volta à tona. Estamos fazendo esforços para contar com jogadores que são importantes não só neste jogo, em qualquer. Têm desempenho bom no ano. Por isso, são convocados. Não posso dizer quanto tempo vão jogar. Serão avaliados quando chegarem pelo CEP, pelo Dr. Tannure. A partir daí, tomaremos uma posição.

Foi tanto questionamento, tanta resposta forte, tanto assunto em quente envolvendo o duelo pela Copa do Brasil, que trataremos por temas:

Fágner

– Vocês têm publicado muita coisa. Destaco a matéria da Gabriela Moreira, que foi excelente. O Juca Kfouri falou sobre isso. Difícil eu, distante, fazer uma avaliação. A bola está com vocês. São profissionais capacitados para irem atrás dos argumentos, pós e contras. Eu tenho que preparar a minha equipe para enfrentar o Corinthians, com ou sem Fágner. Essa questão mais polêmica vocês têm capacidade de sobra para apurar o que aconteceu e se tem alguma coisa esquisita.

– O que eu acho importante frisar é a própria declaração dele semanas atrás, de tentar unir o futebol, e depois declarações deste tipo. Jogadores de lá e cá são profissionais, sabem respeitar o adversário dentro de campo. Isso vamos buscar fazer, mas acaba contribuindo para que os ânimos aumentem. Pregamos que o futebol seja dentro de campo, que vença o melhor, que se mantenha a serenidade neste momento para uma disputa honesta e correta em uma grande decisão, que é a semifinal da Copa do Brasil.

Sobre escolha da arbitragem

– Antes de eu responder como se trabalha com jogadores, é importante destacar algumas incoerências que me preocupam. O árbitro quando vai crescendo é testado em jogos importantes. Quando é testado e não tem desempenho bom, não está apto. Foi para um jogo do tamanho de um Palmeiras x Flamengo, e, independentemente de favorecimento, foi mal no jogo. Não controlou o jogo. Não era uma decisão. Pergunto a vocês: por que vai ser testado de novo?

Por que o Brasil tem 10 árbitros Fifa e nenhum deles apita semifinal da Copa do Brasil? Gostaria de uma explicação para o sorteio não ter árbitro Fifa. O árbitro Fifa é auxiliar do VAR?

O Flamengo não quer favorecimento. Quero uma disputa sadia e honesta. Vencer dentro de campo com mérito. Mas têm coisas que não têm explicação. Se tiver explicação, gostaria de ser o primeiro a ouvir. Fica difícil entender algumas coisas (subiu o tom de voz).
Gostando ou não, temos que respeitar a decisão e fazer o que está ao nosso controle. Firme, determinado, usando o fator casa a nosso favor, com a nossa torcida que, quando aparece, nos ajuda demais. Temos o melhor aproveitamento em casa pelo Brasileiro. Copa do Brasil é um outro momento, mas nossa torcida ajuda muito. Temos que ser sereno nas decisões da arbitragem, mas sermos determinados.

Oscilação da equipe

– Temos que analisar o contexto como um todo. São 53 dias sem semana cheia de trabalho, desde 18 de julho. Não é exclusividade do Flamengo. Todas as equipes têm tido dificuldade com essa oscilação. Não é uma justificativa. Temos buscado soluções, mas eu acho que demos demonstração no último jogo. Adversário fechado, criamos oportunidades.

Cabe até destacar, porque vem se criticando os laterais do Flamengo: gol com cruzamento de origem do Rodinei e finalização do Renê. Acabei não falando na coletiva, queria registrar. Oscilações vão acontecer. Tem que saber lidar com esses momentos e ser inteligente.

Bastidores aumentam ânimos da partida?

– Toda essa polemica que surge é em função dessas incoerências. É normal que o torcedor esteja inflamado. E não só do Flamengo, do futebol brasileiro. Vocês cobram profissionalismo, a gente também. Queremos futebol melhor. Torcedor tem que ficar chateado mesmo.
Ele gasta com ingresso, quer ver uma disputa sadia e honesta. Contribui para que o torcedor tenha dúvida. Tenho que focar no que posso fazer dentro de campo.

Ataque titular

– Definimos jogo a jogo em função do adversário. Não consigo adiantar quem inicia. Qualquer escolha vai entrar e nos ajudar bastante, especialmente ao número 9. Contamos e confiamos nos três. No momento oportuno, vão entrar e nos ajudar bastante.

Pretende falar com o árbitro?

– Olha, eu disse anteriormente que entendo que ele é profissional. Pode ter errado, não estou questionando a índole. Seria leviano da minha parte. Questionei a escolha de um juiz sem escudo Fifa numa semifinal de Copa do Brasil tendo dez árbitros Fifa. Isso que não entendo. Não entendo árbitro Fifa sendo assistente d e VAR e não em campo. É passar tenente na frente de coronel. Sem retaliação nenhuma.

Posso ter interpretação diferente em lances, mas sempre com respeito. Torço para que tenha decisões acertadas. Não espero e não tenho nenhum tipo de favorecimento. Com certeza, o Jair também pensa assim. Queremos uma disputa honesta e sadia. Quem fizer o melhor, que saia torcedor. Converso com ele (árbitro) sem problema nenhum.

Onde usar Paquetá?

– Acho que já ajudou em outras funções. É uma possibilidade, mas a equipe não vai jogar em função dele. Ele que precisa se inserir no contexto. Assim que chegar, vai avaliar, ver a condição e usar onde o desempenho coletivo seja mais forte.

Escalação do Corinthians

– O Jair pode ficar muito à vontade para escalar quem quiser. Tenho que fazer o melhor para enfrentar o Corinthians com A, B, C… Fágner disputou a Copa, não posso falar da capacidade dele, que é muito grande. A escolha é do Jair e vamos enfrentar da melhor maneira.

Marlos e Rodinei

– Estavam sentindo dores ontem e vão ser reavaliados no treino. A presença depende dessa disposição. Se tiverem condição, faremos a melhor escolha em função do adversário.

Fonte: Globoesporte.com

Share This Post