Share This Post

Fluminense

Antes fora dos planos, Pedro Abad admite possibilidade da Caixa patrocinar o Fluminense

Antes fora dos planos, Pedro Abad admite possibilidade da Caixa patrocinar o Fluminense

Em grave crise financeira, o Fluminense luta para conseguir um patrocínio master. Desde agosto deste ano sem marca no principal espaço da camisa, quando rompeu com a Valle Express, o clube carioca busca um novo parceiro. De acordo com o presidente Abad, em entrevista ao Lance!, quem pode estar pintando no ano que vem é a Caixa Econômica Federal. Para isso, o Tricolor busca conseguir a Certidão Negativa de Débito.

“Fizemos algumas operações financeiras para pagar diversos impostos. Estamos com alguns problemas na área trabalhista, algumas ações judiciais que precisamos resolver antes de obter as certidões negativas. A CND é importante para o clube como um todo, independente de patrocinador. Porém, está no radar. A partir do momento que temos a CND, abre a possibilidade não só da Caixa, mas de outras também. É um objetivo estratégico do clube e vamos procurar a Caixa como patrocinadora, sem dúvidas”, analisou Abad.

Após longa negociação em fevereiro de 2017, o Fluminense recusou R$ 11 milhões anuais, devido aos conselheiros tricolores e grupo base de apoio do presidente alegarem que as contrapartidas exigidas acabariam sendo mau negócio para o clube, como as supostas obrigações de transações financeiras, além da Certidão Negativa.





Foto: Divulgação

Anteriormente, a estatal inclusive já chegou estampar sua marca na camisa. Querendo evitar novos calotes, como sucedeu nos últimos dois patrocínios com empresas privadas (Viton 44 e Valle Express), entende-se que o banco seria a melhor opção, mesmo com as contrapartidas necessárias.

RELEMBRE OUTROS PATROCINADORES MASTERS:

  • Unimed: Dentre os patrocinadores na história do Fluminense, certamente o plano de saúde é o principal. Parceria de sucesso durante 15 anos, começou em 1999, quando o clube encontrava-se na série C, e foi até 2014. A empresa evoluiu com o aumento de associados, e o clube conquistou títulos: foram três cariocas (2002, 2005 e 2012), uma Copa do Brasil (2007) e dois Brasileiros (2010 e 2012), além da Série C (1999). Além disso, trouxe grandes nomes para Laranjeiras, como Fred, Deco, Thiago Neves, Rafael Sóbis e etc.

Foto: Nelson Peres/FFC

  • Já no final de 2014, o Fluminense acertou com a Viton 44 para substituir a Unimed por dois anos. No entanto, a parceria não foi como esperado, e com a intensificação da crise financeira assolada no país, os atrasos começaram. As dividas aumentaram com o tempo e, consequentemente, o clube não conseguia mais manter os direitos de imagem em dia (o rombo no Fluminense foi de R$ 23 milhões, por exemplo, no ano de 2016). Dessa forma, Neville buscou o Tricolor para uma rescisão amigável, embora tivesse contrato até o fim do mesmo ano. Peter Siemsem, mandatário na época, fez acordo para receber dívida e encerrou o patrocínio.

Foto: Mailson Santana/FFC

  • Por fim, destaca-se a Valle Express. Assim como as últimas parcerias, não obteve sucesso estampando na camisa tricolor. E mais uma vez o clube ingressou na justiça para valer seus direitos. O acordo que seria até 2019, porém, finalizou-se em agosto de 2018 (o início foi em janeiro do mesmo ano) devido a empresa de cartões não honrar com os pagamentos das parcelas do contrato. O rompimento do acordo entre Fluminense e Valle Express se deu apenas um dia após a operadora anunciar a venda da parte da operação no Brasil a um grupo de investidores norte-americanos.

Foto: Divulgação

 

Além disso, o Fluminense também acertou com parcerias pontuais como TCL, Zoom e a própria Caixa, entre outras.

Share This Post

Gabriel Lutterbach avatar
Jornalista em formação, 19 anos, mais carioca do que mineiro, mesmo sendo ao contrário na realidade. Setorista do Fluminense pelo Futebolzinho. Tudo que eu entendo do ser humano, devo ao futebol.

Comente nesta notícia!

Comentários

No comments yet