Share This Post

Caio Barbosa / Fluminense / Flupress

Notas: Marcelo Oliveira leva o Fluminense à derrota

Notas: Marcelo Oliveira leva o Fluminense à derrota

Uma nova escalação deprimente, que faz a gente desconfiar da capacidade do treinador, foi a tônica de mais uma esperada derrota, desta vez para o Cruzeiro. Com o elenco mais pobre da história do Fluminense, em talento e quantidade, o técnico opta por não colocar nem no banco de reservas (o que já seria um absurdo) o Marcos Júnio, vice-artilheiro do time.

Assim, sobram apenas três jogadores que fazem gol: Pedro, Gilberto e Gum, em jogadas normalmente iniciadas pelo próprio Gilberto, ou Airton Beijinho, uma das poucas peças do time com vocação ofensiva. O que faz o gênio da raça? Recua Gilberto e Beijinho, dando-lhes missões defensivas que eles não cumprem com a competência das ofensivas. Resultado? Dá merda. Sempre.





Pedro deve sentir nojo de Matheus e Sornoza.

As jogadas ofensivas, assim, ficam a cargo de Jadson, um volante ruim, e Sornoza, um armador de merda. Bolt, que divide comigo esta Flupress, matou a pau quando disse que o “Fluminense não tem um jogador que faça as funções do Sornoza. Nem o Sornoza”. Além deles, temos, agora, com o gênio do treinador, Matheus Alessandro, um dos jogadores mais irritantes que já atuaram neste esporte. Como bem disse o Emiliano (que também escreve aqui na Flupress), ontem foi além do insuportável. No gol do Beijinho, por exemplo, Matheus recebeu um bola esticada, fingiu que foi, parou, entregou para o Beijinho como quem disse “vai que é tua, que eu não sei driblar”. O Beijinho foi lá, driblou três e saiu o gol.

Matheus é o único jogador do planeta que tem medo da bola. Gosta de driblar para trás, o que obviamente o defensor adversário permite. Afinal, ele pode driblar todo mundo e entregar a bola para o Júlio César que não há problema algum para o adversário nisso. Mas, enfim, vamos às merdas das notas.

JÚLIO CÉSAR – Nunca levou 7 gols de ninguém, mas alguma hora vai levar, com este time. Chego a ficar com pena do rapaz que joga com cabelo penteado. Sem culpa nos gols. Ainda evitou o pior. NOTA SETE.

CARLOS GILBERTO TORRES – Um dos melhores da temporada, um dos poucos que tem alguma noção de futebol. NOTA SETE.

GUM – Tem mais título que o Zico? Tem! Mas isso não dá a ele o direito de entregar o ouro como ontem, no primeiro gol, com aquele par de pés de pato dos infernos. NOTA TRÊS.

IBANEZ – Também tentou entregar. A diferença é que não conseguiu. NOTA TRÊS.

AIRTON BEIJINHO – Foi o melhor do primeiro tempo. Talvez o único a fazer algo. Gol contra também não é proposital, mas não pode. E eu não sei que nota dar. Queria dar zero, mas corre o risco de entrar o Marlon. Aí, fode. A nota dele é NÃO SEI.

RICHARD – Todo mundo fala que ele não toca para a frente. Mas tocar para quem? Sornoza? NOTA SEIS.

JADSON – Atuação pífia. Burocrática. Vá carimbar papel na pqp. NOTA ZERO.

DODI AL FAYED – O anão de jardim tem pelo menos vontade. Se falta qualidade, pelo menos tem gosto pelo que faz. NOTA SEIS.

SORNOZA – Um vagabundo. Não dá um chute, um passe, uma assistência, não arma uma jogada. NOTA ZERO.

DANIELZINHO – Outro ser oriundo de Liliput. Tem pinta de ser uma merda, mas certamente não é pior que Sornoza. NOTA DEZ.

MATHEUS ALESSANDRO – Uma merda. Não chuta, não cruza, não dá passe para gol. Só pedala e toca para trás. Lixo. NOTA ZERO.

PEDRO – Tem que se benzer. É triste jogar com Matheus Alessandro e Sornoza sem mandar os dois à merda. SEM NOTA.

KAYKE – Experimentou o que é ser Pedro por um dia. Não foi visto em campo, pois a bola com Sornoza e Matheus sequer chega ao ataque. SEM NOTA.

Share This Post

Caio Barbosa avatar
Jornalista desde o século passado. Estudou na Universidade Federal FLUMINENSE e foi setorista dos clubes cariocas, inclusive o FLUMINENSE, pelo Diário Lance!, UOL/Folha, Jornal Extra e Globoesporte.com

7 Comments

  1. Guilherme Milone Silva avatar

    Caio, um dia vc vai aprender que o problema do Flu tem nome e sobrenome. Nome é incapacidade de passe e sobrenome é Richard. Enquanto a escalação titular contar com Gum, Richard e Jadson, não há milagre que possa nos fazer jogar futebol.
    Esta trinca desvairada só dá problema e Sornoza, mesmo não sendo craque não pode levar o peso destes imbecis nas costas.
    Faço uma pergunta simples: há algum clube, mesmo da série B interessado em pagar pelo passe de Richard? O mercado é sábio!

    • Douglas Berndt avatar

      Bom dia Guilherme,
      Linha perfeita: “Nome é incapacidade de passe e sobrenome é Richard. “.
      O autor tenta usar de bom humor, mas até agora nunca li uma análise que realmente nos passe que o rapaz viu o jogo. Nada Pessoal, mas essas notas são uma piada de mal gosto.
      Que porra de culpa tem o Sornoza, sem a bola que chega pra ele parece uma melancia podre? Ele não está bem? Claro que não! Ele é o único jogador do elenco que pode achar um passe em profundidade para os trezentos e setenta mil atacantes de lado que temos, mas eles não dão opção algum pra ele. Matheus Alessandro é o jogo mais burro que já passou pelo Fluminense. A vocação para escolher sempre a jogada errada é o ponto forte do rapaz!

      Vamos as minhas notas, de cunho extremamente pessoal e baseadas meramente em raiva e desânimo com esse time:

      JÚLIO CÉSAR – Sem culpa nos gols. Me mantém com calafrios a cada bola recuada para seu já conhecido chutão pra fora. Nota 5.

      CARLOS GILBERTO TORRES – Coitado. Ele tenta, mas ninguém dá continuidade as suas jgoadas. Nota 6.

      GUM – Como representante do Fluminense, 10. Como jogador, zero. Falha bisonha, gol dos caras e uma partida completamente insegura. Gum sendo Gum. Nota 2.

      IBANEZ – Coitado. Tem qualidade técnica, mas fica perdido no bando que esse time do Fluminense. Nota 4.

      AIRTON BEIJINHO – Tem técnica, vontade, sabe atacar. O que técnico faz? Bota o Matheus Alessandro para jogar com ele. Quem conseguiria produzir algo ainda sim? Ele conseguiu. Sem culpa no gol contra. Nota 6.

      RICHARD – Horroroso, lento, não acerta um passe, não rouba uma bola, não faz uma falta. Perdeu a bola no 2 gol para completar. Eu poderia estar definindo o Fabinho, mas estou definindo o Richard. Um horror. Nota 0.

      JADSON – Já merece banco faz um tempo. Lento, displicente, não tem mais condições de jogar no Fluminense. E tem gente que preferia ele ao invés do Douglas. Vá entender. Nota 2.

      DODI – É ruim, não aparece para o jogo nunca e não marca ninguém. Fez 1 boa jogada até agora desde que foi contratado. Xerém não tem ninguém que jogue o mesmo que esse cara? Contratação injustificável até agora. Fecha a base então. Nota 4.

      SORNOZA – Nunca foi um jogador dinâmico, mas tem qualidade para enfiar uma bola, bater uma falta, pifar os companheiros. Só isso ele já é melhor que 99% do elenco. Mas você vai enfiar uma bola para quem? O jogo dele cai demais sem o Marcos Junio, que é o único que dá opção de passes em profundidade. Partida muito ruim. Nota 3.

      DANIELZINHO – Entrou em campo? Sem nota.

      MATHEUS ALESSANDRO – Vocação para escolher sempre a jogada errada. O falso rápido. Marcos Junio para ontem! Nota Zero.

      PEDRO – Coitado. A única coisa que funciona ofensivamente, o técnico faz questão de matar. Não tem ninguém para jogar com ele. É o melhor jogador do elenco, o técnico teria a obrigação de jogar da maneira que mais beneficiaria o nosso queixada. Parece não pensar dessa maneira. Uma pena a lesão. Nota 6.

      KAYKE – Entrou em campo? Sem vontade alguma de jogar futebol. Outra contratação injustificável. SEM 1.

  2. Renato Vianna avatar

    Não consigo entender essa cobrança por Marco Jr.
    Isso é ironia, né?

    O cara é mais inútil que todos nossos atacantes, acabando contrato, tem que ser deixado de lado mesmo pra renovar.

    Já basta de jogador medíocre que só joga no clube por pena.

  3. Carlos Gaia avatar

    “Queria dar zero, mas corre o risco de entrar o Marlon. Aí, fode. A nota dele é NÃO SEI.”

    Esse foi hilário.

    ST

Comments are now closed for this post.