Share This Post

Flupress / João Bolt

Chegou a hora de vencer a Chape

Chegou a hora de vencer a Chape

A história centenária do Fluminense certamente é marcada muito mais por seus grandes feitos do que por seus vexames. Mas nem só de glórias vivem os gigantes. Algumas escritas pelas quais o clube passou ao longo dos tempos são simplesmente inexplicáveis.

O Fluminense ficou 54 anos sem vencer o Atlético-PR, de 1947 a 2001. Nos confrontos entre os dois clubes durante esse período acontecia o diabo mas a vitória nunca vinha. Houve até derrota com gol de juiz, no campeonato brasileiro de 1992 (o árbitro Ílton José da Costa desviou um chute de um tal de Leomar, tirando qualquer possibilidade de defesa do goleiro Jeferson). Foram ao todo 12 jogos seguidos sem vencer. Três empates e nove derrotas.





A escrita foi quebrada em um dos jogos mais difíceis. Justo no campeonato brasileiro conquistado pelo Atlético, em 2001. Com uma atuação soberba do goleiro Murilo e uma falha do goleiro Flávio do outro lado, o Fluminense venceu por 2×1. Foi a única derrota do Atlético na Arena da Baixada naquele campeonato.

 

Outra escrita bizarra que tivemos foi contra o América-MG. Foram 63 anos (1953 a 2016) ou nove jogos sem vencer. Quatro empates e cinco derrotas. Escrita quebrada no estádio Independência na estreia do Campeonato Brasileiro de 2016. 1×0, gol de Fred. O penúltimo dos 172 do artilheiro com a camisa tricolor.

 

Alguém pode argumentar que os confrontos com Atlético-PR e América-MG foram pouco frequentes ao longo das décadas de escrita. Verdade. Mesmo assim, doze jogos sem vencer, ou mesmo nove, no caso do América, é muita coisa. Contra qualquer adversário.

O retrospecto do confronto Fluminense x Chapecoense já se enquadra nessa categoria de “escritas bizarras”. São nove jogos entre os dois clubes sem uma única vitória tricolor. Fundado em 1973 o simpático time do interior catarinense recebeu o Fluminense pela primeira vez para um amistoso no início da temporada de 1976. A poderosa Máquina Tricolor que levantaria o bicampeonato carioca naquele ano jogou desfalcada dos craques Rivellino, Paulo César, Doval e Dirceu, não conseguindo passar de um empate (2×2). Depois disso foram mais oito confrontos pelos campeonatos brasileiros de 2014 a 2017. Um total de nove jogos, três empates e seis derrotas. Números vexatórios para o Flu.

Basta!!! É hora de por fim a esse incomodo jejum. O Fluminense vive seu melhor momento na temporada, jogando um futebol convincente nas últimas partidas. Atuará em casa com o apoio da sua torcida, provavelmente tendo como único desfalque importante o lateral Ayrton Lucas. Chegou a hora de vencer. Temos que vencer e vamos vencer.

Share This Post

João Claudio Boltshauser avatar
João Claudio Boltshauser (Bolt pra facilitar) curte escrever sobre o Fluminense Football Club, em especial sobre sua história. Aquela que traduz a predestinação para a glória.

2 Comments

  1. Regina Carino avatar

    Vamos vencer! E eu estarei lá pra ver essa importante vitória de perto.
    Fluzão 2×1!

  2. Carlos Gaia avatar

    Quase acertou Regina.

    NNNEEENNNSSSEEE!!!

Comments are now closed for this post.