Share This Post

Flupress

Dá pra ganhar e pra perder qualquer jogo


Olha eu atacando de interino da Flupress … orgulho danado!

No meio desse timaço aqui, a nata da opinião tricolor, confesso que rolou um piriri, que nem de calouro entrando no palco do Chacrinha …





Mas se tem alguma coisa que o futebol me ensinou foi que:

– É um jogo de equipe e se não dá na inspiração, que abunde transpiração.
– Se você estiver na arquibancada, no banco ou em qualquer outro lugar e te dão oportunidade para jogar, vai lá e joga! Principalmente se for pelo time que você torce.

Assim sendo, queridos, vamos em frente que eu tô pingando pelo queixo.

Confesso que tinha este nosso papo pronto sexta à noite. Por algum desses lapsos que ninguém explica, fixei na minha cabeça que o jogo contra o Ceará era domingo. Ao acordar e verificar qual seria o cardápio futebolístico do dia, me deparei com o jogo no sábado.

E aí, meus caros, exposto aos fatos sequentes, muito do que eu escrevi perdeu seu “timing”.

Entretanto, ainda cabe uma mescla entre as coisas positivas, que são eternas, e a tristeza de uma apresentação que foi mais um balde de água fria.

Entendo que, pra falar de Fluminense, algumas premissas são básicas:

– O Fluminense disputa sempre os títulos das competições que participa.
– No brasileiro, se não ganhar o título, tem que conseguir vaga na Libertadores.
– Não interessa a situação que se vive e os erros cometidos. Rebaixamento ou se lvrar deste, não são tópicos discutíveis ou aceitáveis para este clube. Qualquer coisa neste sentido é sinal de mediocridade.

O que quero dizer com isso é que o Fluminense, gigante como é, começa no pensamento das pessoas, começa no reconhecimento do peso desta camisa. E só conseguimos fixar e fazer valer devidamente os conceitos quando acreditamos neles.

Isso é o mínimo que eu espero de qualquer torcedor do Fluminense, esteja ele em casa, na rua, com camisa ou sem, na arquibancada, na presidência, no conselho ou no raio que o parta. Assim é e assim sempre será. Quem não pensa assim ou pensa que o objetivo do Fluminense é rivalizar com o Flamengo, que vá torcer pro Botafogo ou pro Vasco. No Fluminense, tem que se pensar que os outros é que têm que rivalizar com a gente.

Posto isso, vamos tentar inserir isso no momento atual no que diz respeito ao futebol utilizando um modelo “João Saldânico”, com pouca referência aos detalhes e peças do tabuleiro e mais foco na percepção média do leigo (se é que existe algum) amante do futebol.

Há algum tempo, opinião que eu concordo, dizia-se que o Flu estava jogando o pior futebol do Brasil, o que levando-se em consideração o nível por aqui é jogar mal pra caralho! No “rifa que eu corro” que virou o futebol pindorâmico, tudo o que se esperava é que pelo menos isso fosse feito com um mínimo de competência. Longe disso.

Entretanto, neste pós Copa, vi alguns jogos e entendi estar havendo encaixe de algumas peças e com um novo conceito técnico, a partir do Marcelo, com as coisas mudando pra melhor.

Távamos jogando bem? Não dava pra dizer isso, mas algumas coisas ficaram bem evidenciadas.

– Tinha melhorado muito a efetividade defensiva. O Flu dava menos espaço na marcação, em alguns momentos (até porque não se consegue fazer isso o jogo inteiro). Nos últimos 3 jogos, tomou 2 gols, todos em falhas do Júlio Cesar em bolas relativamente fáceis.

– Estávamos vendo dois laterais/alas funcionando. Há muito tempo isto não acontecia.

– Pedro voltou com a bola toda no pós copa. Lógico que com oscilações (contra o Ceará, por exemplo, foi um desastre) , mas que já parece dar resultado de pronto, tanto que já é jogador de mercado.

– As últimas (e somente elas) contratações, estão parecendo refletir uma melhoria no planejamento ou, pelo menos, a existência de algum. Uma consequência disso, conforme as minhas teorias, que muitos discordam, estamos reduzindo a quantidade de jogadores de base nos times que entram em campo, o que pra mim é chegar mais perto da normalidade de um time equilibrado.

– Os próprios garotos da base, jogados criminosamente no incêndio em anos anteriores, amadureceram à fórceps, o que até era esperado. Isso quer dizer que são craques e imprescindíveis? Não. Aliás, não serão craques mesmo, mas mostraram que podem ser úteis.

– E talvez o mais importante: O torcedor, aquele que tá escondido, tá louco pra voltar a aparecer. A redução de preços de ingresso (finalmente) foi o primeiro “trigger”. Uma sequência de vitórias seria o caminhão de areia que iria aterrar esta vala que cavaram separando o clube do torcedor.

E aí vem o Ceará … último colocado no campeonato, um time fraquíssimo, que só tem uma chance: correr e tentar ganhar. E olhem a falha generalizada no gol que o Ceará consegue fazer …

No futebol brasileiro, não há grandes diferenças hoje. Correr e jogar pra ganhar é meio caminho andado. O Fluminense não o fez. Marcelo falou em cansaço. Pode ser, mas time cansado não pode abrir mão de jogar pra ganhar e se impôr. Fluminense também não o fez. Desculpem os torcedores do Ceará, mas repito, é um time que cairá … não tem justificativa pra jogar do jeito que jogou, Marcelão …

Sim, a arbitragem foi horrível e prejudicou, foi totalmente caseira, mas no final, a sensação de indignação por conta disso é extremamente menos importante do que a frustração de o Fluminense seguir não conseguindo emplacar uma sequência mínima de boas apresentações, sendo mais adversário dele próprio do que os outros.

Uma das coisas que escrevi no “draft” de sexta feira é que dá pra ganhar de qualquer um. Pra mim isto é um fato. Entretanto, ontem a evidência deixada é que também dá pra perder de qualquer um e aí, não é Fluminense não.

As questões oriundas de gestão, erros retumbantes, problemas ocorridos e tudo mais, já estão devidamente massificados e são do conhecimento de todos. Aliás, quem já me leu antes, já está cansado de saber o que penso. Chega …

No próximo jogo, vamos ver que Fluminense vamos assistir, o que pode ganhar de qualquer um ou o que pode perder de qualquer um … como sempre, estarei pagando pra ver.

Pra elevar o moral:

  • Flu na final da Taça BH, pegando o Atlético MG.
  • Contratação do Cabezas, em que pese o nome esquisito, pelo que vi é um jogador razoável. Talvez estejam entupindo o clube de atacantes pra poder vender o Pedro, mas me parece ser uma contratação que pode dar certo.
  • Pedrão com moral com o Tite. Jogou mal hoje paca, mas tá com crédito. Fica tranquilo que o Tite hoje tava de folga.
  • O Lisca sabe muito bem o quanto significa conseguir ganhar do Fluminense. É isso aí, cara, é uma na vida outra na morte. É pra botar no currículo. Muita gente no próprio Fluminense tem que voltar a entender isso.

Abraços e até a próxima – vai que eu continuo interino por mais um tempinho … hahaha.

Share This Post

Antônio Ramos avatar
Ex-jogador, auxiliar técnico e instrutor de futebol, escrevendo sobre o tema há mais de 20 anos. Torcedor do Fluminense Football Club.

Comente nesta notícia!

Comentários

No comments yet