Share This Post

Flupress / Gustavo Albuquerque

Seremos campeões?

Seremos campeões?

E não é que o Fluminense é vice-líder do campeonato?

Acho que nem o mais eufórico tricolor imaginava isso antes do brasileirão começar. Eu certamente não.





O fato incontestável é que o time tem jogado um futebol de bom nível, ao menos nas três últimas rodadas. E se contra Atlético e Chapecoense, apesar das vitórias, não conseguiu jogar aquele futebol fantástico da injusta derrota contra o Botafogo, parece-me claro que o nível que estamos apresentando é, sim, de quem disputa o título contra qualquer outro clube do campeonato.

É evidente que só bom esquema tático não é capaz de ganhar sozinho um brasileirão. O mesmo vale para o onze que entra em campo. Só com titulares, por melhor que estejam atuando, um clube não pega sequer G4. E é chover no molhado dizer que numa disputa que envolve 38 rodadas, teremos que rodar o grupo, seja por causa de lesões – muitas -, seja por causa de suspensões, seja porque o titular passou a render menos.

Nosso elenco é estreito. Jogadores abaixo da média ainda atuam em nossa equipe principal, caso, por exemplo, do Renato Chaves, um zagueiro que não inspira confiança alguma. Mas ainda assim, estamos jogando bem. Não existe, afinal, uma máquina de jogar futebol nesse campeonato. Todos os times possuem suas necessidades.

É possível manter a competitividade. Nosso onze está surpreendentemente rendendo muito bem e pode bater de frente com qualquer time, inclusive com o Grêmio, na partida de amanhã.

Mas e quando o onze vira dezesseis? Hoje temos carências nítidas de elenco. Quem substitui a dupla que nos dá volume, Jadson e Sornoza? Quem pode fazer a do Pedro, um cara que anda queimando a língua de quase todos os tricolores que conheço e, é claro, a minha também? Marlon é um substituto à altura do Ayrton Lucas?

As respostas a essas e outras perguntas não são animadoras.

Entendam o que está se passando, meus amigos. Estamos falando de probabilidade de título. Por que não? O time acertou, encaixou, como se diz. Estamos a um ponto do líder e mesmo contra ele podemos bater de frente e vencê-los.

E quando as coisas começam a dar certo, quando a briga passa a ser por coisas maiores, como um pentacampeonato que seria fantástico, o sarrafo necessariamente tem que mudar. Uma coisa é administrar uma realidade de meio de tabela, de briga por uma vaga numa competição sulamericana. Outra, muito diferente, é almejar o campeonato.

Hoje estamos almejando. E para continuar assim precisamos trabalhar também fora de campo.

Nossa diretoria, um verdadeiro caos administrativo, e que vem atravessando períodos críticos de governança com a saída de diretores e vice presidentes em massa, além do Autuori, precisa tirar algum coelho da cartola para poder reforçar o elenco em suas posições críticas. Precisamos de dois meias com capacidade de articulação e no mínimo um atacante experiente que saiba empurrar a bola para dentro. A outra opção, o tal do João Carlos, me assusta.

Ah! Mas não tem dinheiro. Ah! Mas o Peter isso. Ah! Mas o Mário aquilo… A gestão Flusócio nos acostumou a trabalhar com desculpas desde o dia zero. E seguem assim. Está sempre difícil. E piorando. É preciso romper com esse coitadismo e entender as necessidades de aproveitar a boa onda para buscar o título. Não é ação de clube grande se deparar com essa possibilidade e se contentar com uma posição de coadjuvante.

Mas há outra questão que habita a mente dos tricolores: a real possibilidade de, além de não reforçar para suprir as necessidades do longo campeonato, vender os melhores jogadores após a copa do mundo.

Circulam na internet, dia sim, dia também, que Pedro está sendo sondado pelos europeus, que Ayrton Lucas está de malas prontas para sair…

Vou repisar o que sempre digo: se vender esses jogadores após um título teremos muito mais dinheiro no caixa. O Fluminense não tem o direito de se desfazer de jovens talentos que fazem apenas meia dúzia de boas partidas. Isso é pensamento de clube pequeno. Deixem os garotos jogarem. Deixem que tragam conquistas. Somos os vice-líderes de um campeonato dificílimo.

É possível. Mas para isso nossos dirigentes – que estão lá há sete anos – precisam criar soluções condizentes com a grandeza do Fluminense e jogar para escanteio essa política de vender qualquer um a qualquer preço que nos aproxima da administração de um Madureira.

Reforcem o grupo sem desfazer o que está dando certo.

As coisas estão acontecendo. Podemos sonhar. O futebol está sendo bem jogado.

O campeonato também é vencido por quem tem a caneta nas mãos.

Faltam 59.

Abraços tricolores.

Share This Post

Gustavo Albuquerque avatar
44 anos,  é advogado, autor da Ação Popular que possibilitou a volta do Pó de Arroz aos estádios e escreveu sobre Fluminense no Blog do Torcedor do Globoesporte.com entre 2012 e 2018.

15 Comments

  1. Excelente texto Gustavo,
    Acredito que o fluminense tenha condições de brigar com todos os clubes de alto investimento, principalmente se a diretoria adotar uma política à altura do fluminense, de não ceder nossas principais revelações por valores irrisórios.
    Vejamos o exemplo do nosso maior rival, frente ao grande assédio do mercado exterior ao jovem Lucas Paquetá, já acenou que somente o venderá mediante pagamento de multa no valor de 50 milhões de euros (Aprox R$ 200 mi).
    Se ano passado o fluminense tivesse adotado a mesma postura em relação ao atacante Richarlison, que vinha mantendo um alto nível de atuações no campeonato brasileiro, tenho certeza de que no fim do ano ele estaria valendo no mínimo o dobro do valor pelo qual foi negociado.
    Conclusão: Vendendo o Richarlison pelo dobro daquele valor, o fluminense não precisaria ter negociado o volante Wendel, ou seja, estaríamos com o mesmo valor nos cofres do clube e com o Wendel no time, jogando, evoluindo e se valorizando ainda mais.
    Sei que, no que diz respeito a finanças, hoje existe um abismo entre a dupla fla x flu, mas vale pensar um pouco no assunto.
    Grande abraço.

    • Carlos Mucury avatar

      Brother eu também gostei do texto do Gustavo e concordo com o que você disse, mas o que eu tô querendo saber mesmo é o que vc tá fazendo com a minha imagem como foto do perfil! hahahahahahah

      • O nosso amigo Francesco disse a mesma coisa no comentário dele, então só pode ser alguma falha na página.
        Inclusive nem foto eu coloquei rs
        Abraços

      • Frank Cavaliere avatar

        Desculpe o inconveniente. Houve uma confusão no display entre usuarios logados e nao-logados. Para resolver na raiz e rapidamente, as fotos nos comentarios nao serao exibidas ate isso ser resolvido. Abraco e obrigado por ter reportado este erro!

  2. Frank Cavaliere avatar

    Faltam 59!

  3. Francesco Romulo Palaio avatar

    tem alguma coisa errada ai Rafael está com a minha foto. concerte isso ai por favor.

    • Frank Cavaliere avatar

      Desculpe o inconveniente. Houve uma confusão no display entre usuarios logados e nao-logados. Para resolver na raiz e rapidamente, as fotos nos comentarios nao serao exibidas ate isso ser resolvido. Abraco e obrigado por ter reportado este erro!

    • Regina Carino avatar

      Já já o Futebolzinho vai resolver isso…rsss

  4. Eu venho aqui perguntar se alguém sabe, por favor, qual é a situação atual do gustavo scarpa. Me parece que pararam de falar no assunto e enquanto isso o cara vai desvalorizando. Não acredito e nem quero a sua reincorporação ao time, mas dadas as restrições de elenco que nos afligem como bem disse o Gustavo, ele poderia ser usado numa troca por alguém que queira jogar pra nós e não contra nós.

  5. Regina Carino avatar

    Mais um grande texto, Gustavo!

    A cada jogo, dormimos e levantamos da cama com a esperança de que o próximo nos surpreenda.
    Temos mtos problemas, tudo pode acontecer…estamos deslizando em meio ao risco o tempo todo…pagamos o preço! Mas hoje tb temos futebol.
    Esses jogadores estão nos mostrando o que é possível, escapando de qquer planejamento mal feito. Só pq é o Fluminense!

    Abraço, Gustavo! ST!

  6. Douglas Berndt avatar

    1 meia para uma eventual falta do Sornoza e um atacante para uma eventual falta de Pedro, podemos brigar até o final com esse time.
    Amanhã poderemos ter a verdadeira noção, de aonde poderemos chegar nesse campeonato.
    Um empate contra o Gremio seria excelente, mas eu acredito em uma vitória, 2×1.

    ST.

  7. Tarik Moussallem avatar

    Trazendo um pouco de pessimismo: não temos time pra sermos campeões e nem salários se pagam somente com ambição de time grande. Espero que tenhamos condições de continuar na briga e de segurar os jovens, que são promissores, mas não nos iludamos: se não pagarmos os caras, ao invés de serem vendidos por mariolas, sairão de graça, como o Scarpa. Não conheço a real situação financeira do clube, só peço que o Pedro fique, que é quem está fazendo a diferença. E rezo pra que, caso precisemos vender, surjam propostas por Marcos Jr, Richard e outros de substituição mais fácil. É a penosa realidade.

  8. Guilherme Milone Silva avatar

    Basta relembrar as vendas desastrosas de Marlon e Fabinho para que a esperança se desvanesça. As transações entre clubes europeus é quatro vezes maior (Marlon) ou até 200 x maior (Fabinho) do que o preço que levamos. Se levarmos em conta outras jogadas muito esquisitas como no caso Biro-Biro e no Denílson aí o caldo entorna.
    Essa mentalidade de xepa é coisa destes mentecaptos da Flusocio.
    Sugiro que sejam divulgados os nomes e e-mails dos membros da Flusocio no Conselho para que a gente faça pressão.
    Na página do Facebook eu estou postando todo dia pedindo explicações.
    Gustavo – porque vc não faz uma série de entrevistas para ver o grau de compromisso destes caras com projetos que possam levantar o Flu?
    Saudações tricolores

Comments are now closed for this post.