Tenho quase 40 anos de Maracanã. Metade deles vendo jogos de todos os times. A maioria, claro, do Flu. Mas ontem, pela primeira vez, vi o Fluminense ganhar graças à arbitragem. Deslavadamente. Um juiz que favoreceu o Fluminense durante os 98 minutos. Sim, ele deu oito minutos de acréscimos.

Vamos combinar que o time do Fluminense, graças ao trio Peter/Mario/Abad, é infinitamente pior que o mistão cruzeirense. E a perspectiva, ontem, era a pior possível. Mas aí entrou em campo o Flávio Rodrigues de Souza. Uma coisa inimaginável.





Primeiramente, expulsou o Gilberto com um tesão jamais visto. Nós, na arquibancada, achamos injusto. Mas ao ver o replay pelo celular, vimos que nem foi tanto assim. Foi justo. Mas os jogadores não têm celular. E tesão do árbitro na expulsão, somado à total falta de tesão por advertir qualquer jogador do Cruzeiro, encheu de brios nosso time. E incendiou a torcida. O segundo cartão que o danado tirou do bolso foi para o Renato Chaves, quando pelo menos metade do time azul já deveria ter levado cartão.

Esta falta de critério descarada resolveu a parada. Todo mundo que estava no estádio sabia que venceríamos. E vencemos. Como legítimos guerreiros. Mesmo com um jogador a menos e inacreditáveis oito minutos além do tempo regulamentar. Assim sendo, vamos às notas dos nossos craques. E comemorar bastante a vitória, pois não sabemos quando será a próxima.

JULIO CESAR – Nosso guerreiro da camisa 1, que nunca levou 7 gols da Alemanha, tampouco eliminou o Brasil contra a Holanda, fez uma partida antológica. É chama-gol? É. Mas tem queimado minha língua. Obrigado, Júlio César. Nota 10.

RENATO CHAVES – Um dos piores zagueiros da história do Fluminense. Um horror. Sabe jogar bola? Sabe. Mas zagueirando é uma tragédia. Acabou improvisado na lateral e mostrou que pode ser útil ali. Compromete menos. Nota 6.

GUM – Um dos maiores zagueiros do mundo de todos os tempos. É bom jogador? Não. Mas é bom zagueiro. E levantou tanto título nacional quanto o Zico. Ontem, foi mais que perfeito. Nota 11.

FRAZAN – É fraco. Mas jogou com vontade. Algo que o Marlon nunca fez. Nota 7.

GILBERTO – A expulsão foi justa. Sua entrada foi um negócio de outro mundo, e ainda não dá para saber se foi por querer ou não. Um horror. NOTA ZERO.

RICHARD – Por incrível que pareça, é o melhor volante que temos. Ótima partida. Nota 9.

JADSON – Pior que eu. Pelo menos correu. Nota 7

SORNOZA – Triste. Mas correu um pouco. Nota 6.

LUAN – Entrou no fim e correu mais que Sornoza o jogo todo. Nota 7.

AIRTON BEIJINHO – O melhor jogador da temporada, apesar da tatuagem ridícula. Boa partida. Nota 8.

MARCOS JUNIO – É tricolor e tem vontade de ganhar. Nota 10.

PABLO DYEGO – É ruim, mas é bom. Nota 8.

PEDRO – Fez o gol da vitória. O resto não importa mais. Nota 10.

DOUGLAS – Entrou em seu lugar. Não sei se é tricolor, mas respeita o clube e tem vontade de ganhar. Nota 10.

Caio Barbosa avatar

Jornalista desde o século passado. Estudou na Universidade Federal FLUMINENSE e foi setorista dos clubes cariocas, inclusive o FLUMINENSE, pelo Diário Lance!, UOL/Folha, Jornal Extra e Globoesporte.com