Pedro honrou a camisa tricolor no Sul.

O Fluminense conquistou um empate importante diante do Grêmio, esta noite, em Porto Alegre. Empate com sabor de derrota por ver a pequenez que a atual gestão transformou o maior clube da história do país.

Jogamos não de igual para igual, como sempre fizemos, por absoluta falta de competência da diretoria. Mas diante deste quadro surreal, não podemos deixar JAMAIS de elogiar aqueles que estiveram em campo, que acabaram, também, deixando a torcida orgulhosa pelo empenho. Penso que se não fosse o juiz e o SONOza, poderíamos ter voltado à liderança.





Vamos às notas dos nossos craques:

JULIO CESAR – O maior Júlio César da história da goleiragem brasileira, que nunca levou 7 de ninguém, não fez nenhuma defesa, o que mostra uma atuação quase irretocável da zaga, a maior da história de cada um daqueles zagueiros, que a rigor só falharam em um lance no primeiro tempo. SEM NOTA

RENATO CHAVES – A melhor partida de sua vida. Chegou a escorrer uma lágrima. Como Deus não é bom, nem o juiz, não fez o gol da vitória num pênalti sofrido. Segundo o querido Luís Roberto, Kanneman “atrapalhou”. Novo eufemismo para falta. NOTA 10.

LUAN – O nosso anulou o deles. Que reconheço, joga fácil. Mas ontem ficou no bolso do paletó. NOTA DEZ.

NATHAN – Não tem nome, nem pinta de jogador. Mas jogou demais. NOTA DEZ.

CARLOS GILBERTO TORRES – Muito bem atrás, foi marcado covardemente pelo juiz o jogo todo. É valente, tentou levar o time à frente também – NOTA NOVE

RICHARD – Um leão no desarme, mas esteve sozinho para o “arme”. Aí ficou difícil. Mas sabe o valor da camisa do Fluminense. NOTA NOVE.

DODI – Entrou no fogo e não se queimou. Apesar de pequeno, foi grande. Não se intimidou e honrou a camisa. NOTA SETE.

JADSON – Sozinho para levar o time ao ataque, pouco fez. Mas foi bem na defesa. NOTA SETE.

SONOza – O Vampiro Equatoriano não foi bem em jogos à noite. Foi um horror. Responsável pela transição ataque-defesa, fez efetivamente porra nenhuma. Destoou geral. NOTA ZERO.

MARLON – É brando demais para jogar no Fluminense. Não foi o desastre costumeiro, sobretudo na defesa. Ontem, foi apenas razoável, o que para ele é sensacional. NOTA SEIS.

PEDRO – Deu até pena. Completamente abandonado por SONOza, combateu de igual para igual os 135 jogadores do Grêmio. Nosso artilheiro não fez gol, portanto, não merece nota dez, mas orgulhou geral. NOTA NOVE.

JOÃO CARLOS – A nota seis que eu dei a ele no jogo passado, quando merecia ZERO, deve ter motivado o maluco. Parece que o tico se encontrou com o teco e jogou futebol. Foi bem. Substituiu Pedro à altura. Vai ganhar nota alta para ver se dá sorte. Vamos precisar deste rapaz. NOTA NOVE.

MATHEUS NORTON – Uma merda. NOTA ZERO

DOUGLAS – É tricolor. NOTA SETE.

Caio Barbosa avatar

Jornalista desde o século passado. Estudou na Universidade Federal FLUMINENSE e foi setorista dos clubes cariocas, inclusive o FLUMINENSE, pelo Diário Lance!, UOL/Folha, Jornal Extra e Globoesporte.com