Flamengo

Notícias do Flamengo

Chuva de Pedras

A vitória do Flamengo sobre o apequenado Fluminense pela Sula não foi surpresa pra ninguém. A despeito da rivalidade e do peso histórico que tende a equilibrar o ancestral cotejo independente do momento vivido por cada equipe, uma vitória das meninas de Laranjeiras ontem poderia ser encarada como um violento ataque à lógica. Se é que serve de consolo para uma temporada frustrante, o Flamengo nesse fim de 2017 está visivelmente mal das pernas, mas o Fluminense está mal do corpo todo. Principalmente da cabeça e do bolso. É um time bravo, muitas vezes violento, que dá muita unhada, mas limitadíssimo. Que deve sua sobrevivência nas competições em grande parte ao carisma do seu treinador e à sua tradição, que desta não há quem escape e não falta quem queira ajudar nas altas esferas da putaria n...

Rueda de La Fortuna

Aos poucos, bem devagar e sem assustar os transeuntes, o Flamengo vai dando alguns sinais de que está começando a se arrumar. O time em si ainda tem muito o que melhorar, ou como preferem dizer os motivadores, ainda tem muito espaço para o aprimoramento. Mas a série invicta bajo la administración Reinaldo Rueda já alcança 4 jogos. Não é nada pro Flamengo Mitológico, que detém o recorde nacional de 52 partidas sem perder, mas são 360 minutos em que nem gol tomamos e nos quais, isto sim é importante, o Flamengo tem jogado sempre melhor do que jogou no jogo anterior. Como se diz na Colômbia, Rueda hizo su Agosto. É meio que comum que todos os times deem uma melhorada imediatamente após a chegada de um novo treinador. Os jogadores sempre ficam mais espertos, todo mundo treina com vontade, titu...

O Fim do Café-Com-Leite.

O Flamengo venceu um jogo importante. Aleluia! Descontado o pouco competitivo carioqueta, que ficou combinado que não vale nada nos anos em que é vencido pelo Flamengo, foi a primeira vez em 2017 em que se pode dizer sem relativização que a missão foi cumprida. Mas, para evitar qualquer manifestação de oba-oba, é sempre bom lembrar que o Flamengo não fez mais que a sua obrigação. A semifinal da Copa do Brasil foi um duelo extremamente desigual. O Botafogo jamais teve qualquer chance. Muito ao contrário da narrativa desenvolvida pela crônica esportiva, dentro das quatro linhas o Botafogo ganiu de humildade diante do poderio avassalador do Flamengo. O Botafogo começou a ser eliminado antes mesmo de entrar em campo. E sacramentou a sua desclassificação quando dele saiu pela primeira vez, lá n...

Resposta ao Amigo Alvaro Marechal

  Prezado amigo Marechal, Bem podes imaginar a alegria provocada pela chegada de sua carta à minha desprestigiada caixa postal. Na profunda irrelevância da minha correspondência habitual, precedida por faturas de TV a cabo, resumos de notícias que não solicitei e cobranças sem fim, sua tréplica luzia como gema preciosa e provocou a mesma sensação do anúncio de um novo livro do autor preferido, daqueles que temos que começar a ler imediatamente. Às vésperas de um jogo que se anuncia tão definidor para o resto do ano, tanto do Flamengo quanto do Botafogo, é absolutamente natural que nós, torcedores, procuremos extravasar a tensão acumulada através de atividades amenas que não estejam contaminadas pelo clima bélico com que se deixou envolver o jogo de quarta-feira. Diante das práticas vâ...

Carta ao Meu Amigo Botafoguense Alvaro Marechal

Caro amigo Alvaro, Que grata surpresa receber sua simpática missiva ao fim do jogo de ida da semi da Copa do Brasil. Como é do seu feitio você aparece compartilhando conhecimento, exaltando nossos grandes das artes e, o traço que mais admiro em sua prosa, indicando onde e como podemos mitigar nossa ignorância. Após o conciso  e inspirado perfil biográfico do rubro-negro Wilson Baptista com que me brindou nos primeiros parágrafos da sua carta a referência ao livro “Wilson Baptista: o samba foi sua glória! “, do Rodrigo Alzuguir, foi mais do que uma cortesia, a entendi como um auxílio necessário a um neófito na história da música popular do meu naipe. É verdade que logo depois você não se furtou a relatar o “mico” do lançamento do hit “Samba Rubro-Negro” em um malsucedido Fla-Flu de 1955. Fa...

Rueda, Jayme e o Dasein Flamengo.

Quando somos pequenininhos e ganhamos nosso primeiro Manto Sagrado ninguém, nem pai, nem mãe, nem tio ou padrinho, nos explica o que ser Flamengo significa exatamente. Geralmente quem nos oferta o Manto também não sabe e às vezes nem Flamengo é. Cada um de nós precisa descobrir sozinho, com as ferramentas que tiver à mão, que vestir aquele Manto significa muito mais do que usar uma roupa extraordinariamente bonita. O processo dessa descoberta pode levar anos. Ser Flamengo de forma plena e integral implica em assumir uma identidade coletiva pré-existente e ao mesmo tempo ser um ente destacado, capaz de questionar o ser e compreende-lo. Como o Dasein de Heidegger, que se não fosse alemão e tivesse nascido na Vila da Penha certamente chegaria ao elemental Didididiê pra nos ajudar a segurar es...

Pobre Menina Rica

Deus me dibre de fazer apologia da pobreza, me inclino muito mais à doutrina de Justo Veríssimo do que à regra franciscana. Mais importante que amar o pobre é ser inimigo da pobreza. Mas até os argentários sem coração tem consciência de que com dinheiro se compra uma casa, mas não se constrói um lar. Por mais ilimitados que sejam os recursos existem coisas que o dinheiro não compra. Porque não estão à venda. A bola não entra por acaso, mas os cemitérios estão repletos de sepulturas de times milionários que não souberam fazer a bola entrar. Já está mais do que provado que no futebol dinheiro ajuda, mas não resolve. Raça, vontade, determinação, amor à camisa, horror à derrota e sorte de campeão, por exemplo, são como os metais preciosos. Não estão em uma prateleira do supermercado à espera d...

Todas as Paçocas do Mundo

O Flamengo se classificou para a semifinal da Copa do Brasil. Não foi uma classificação bonita. Foi um sufoco de maluco. Ainda bem que metemos 2 gols nos caras no jogo de ida. Na Vila Belmiro o Flamengo conseguiu tomar em apenas 90 minutos mais gols do que tinha tomado durante todo o mês de julho e apresentou, para extrema preocupação dos observadores mais atentos, a mesma tremedeira que assolou o time na macabra noitada no Nuevo Gasómetro em maio. E não existe pior encarnação do Flamengo do que o Flamengo que treme. Aquele Flamengo que ao se aproximar do triunfo esquece quem realmente é, se dobra ante a pressão e entrega docilmente todas as paçocas do mundo. Afasta da Nação esse cálice, pai. Ganhar, perder, eventualmente empatar, são coisas do jogo, mas, por favor, sem tremer. O Flamengo,...

O Empate é um Mau Resultado.

  Que momento especial vive o Flamengo. Depois de anos intermináveis de meia-boquismo em contratações hoje temos um time em condições de brigar pelos títulos no papel, sem precisar entrar na conta torcida e camisa, entre outros itens do nosso patrimônio intangível. A chegada do Diego Alves, goleiro de primeira linha, é um forte indício de que construiremos, enfim, um time forte em todas as posições. E olha que a torcida do Flamengo nem é muito exigente quando o assunto é goleiro. Não tomando gol nunca e tratando a bem a namorada já ficamos satisfeitos. Mas é claro que não podemos estar 100% satisfeitos, principalmente porque o Departamento de Contratassão de Jogadô do Flamengo continua operando de acordo com o calendário europeu. Nosso time, mais uma vez, foi montado enquanto o campeonato ...

Time Rico, Torcida Pobre.

O empate no Fla-Flu de domingo irritou profundamente o torcedor do Flamengo. O Flamengo voltou a jogar mal, apresentando o vasto cardápio de defeitos de uma equipe que aparentemente não treina o suficiente. Desconexão entre os setores do time, previsibilidade tática, acefalia na criação, repetição estupidificante de cruzamentos à esmo, zaga em slow-motion e ataque inoperante. Defeitos já percebidos há muito rodadas por todos os corneteiros, profissionais e amadores, e ainda não corrigidos. Apesar de muitos torcedores enxergarem os jogadores do Flamengo como se fossem os Jardins Suspensos da Babilônia em chuteiras, a realidade é muito menos maravilhosa. Temos alguns bons jogadores, só que estes bons jogadores ainda não se conhecem o suficiente. E os que já se conhecem não são bons o suficie...

Estado de Bem-Estar Social Rubro-Negro

Depois de 1 hora e 45 minutos no trânsito chegamos à inauguração da Ilha do Urubu. O tapa que deram no estádio da Portuguesa ficou bacana. Mais bacana, e bem mais confortável, que a Arena que dividimos com o Foguinho há 12 anos. O entorno todo preparado para a chegada da horda rubro-negra, no pátio as barraquinhas de comida e os vendedores de cerveja e seus parceiros inseparáveis, os banheiros químicos, tudo no esquema. Do lado de dentro lotação quase completa, iluminação fortona que destacava o verde do gramado tapete e, ao menos na segunda fila do lado Leste, a incrível proximidade com o que acontecia do lado de dentro das 4 linhas. É diferente ver o jogo de tão perto, é preciso treinar o olho para que ele se adapte e compense as distorções provocadas pelo novo ponto de vista. Mas não dá...

Aja Naturalmente, Flamengo.

Para surpresa de ninguém, o Flamengo é um dos finalistas do chumbrega Carioqueta. Com o ataque mais positivo, defesa menos vazada, mais pontos ganhos, menos perdidos e a camisa mais maneira o Flamengo só precisou atropelar o pequeno Foguinho na semifinal para sacramentar sua indisfarçável superioridade diante dos pequenos co-munícipes nos quais teve que pisar durante o fastidioso certame rural. O Botafogo até que tentou estragar a nossa festa usando sua arma mais eficiente, o chororô preventivo, arte na qual seu impagável presidente se revelou um virtuose. Mas não funcionou, o Mengão foi informado previamente que naquele domingo se comemorava o Dia Nacional do Choro e entrou com o meio campo blindado e Rafael Vaz muito compenetrado. Era uma Bastilha intransponível que os losers do Foguinho...