Fluminense

Notícias do Fluminense

FALTAM 62 (e mais carinho com a arquibancada)

Segunda ótima partida do Fluminense no campeonato. Ótima. Time consciente, aplicado, que aceitou ficar sem a bola mesmo jogando em casa, contra um adversário atrás da gente na tabela. E isso reflete a capacidade do Abel de manter esse elenco na mão. Aliás, é preciso ser dito que as atuações do Fluminense neste campeonato foram todas de bom nível. Se os primeiros jogos não atingiram em qualidade as partidas contra Botafogo e Atlético, não seria justo não reconhecer que nossa equipe tem uma cara e que ela anda bonita, como quase nunca vimos nos últimos anos, inclusive com o próprio Abel no comando. O Fluminense está se mostrando um time extremamente veloz, que sabe verticalizar o jogo e que anda encontrando espaços no meio para que Jadson e Sornoza sobressaiam. Não foi por acaso que ambos fo...

Fluminense arregaça o Flamengo do Paraná: 2 a 0

O Fluminense despachou, ontem, mais um rubronegro neste Campeonato Brasileiro. Desta vez, o urubu paranaense. Bem verdade que seu treinador, o incensado Fernando Diniz, malandramente tentou vir disfarçado de laranja, mas quem nasceu para rubronegro nunca chega a Tricolor, e no final das contas, a mesma história: Fluzão 2 a 0, inapelavelmente. Estive lá no Maraca mais uma vez, e ontem curioso para ver o tal futebol apresentado pelo time do Diniz. E o que vi foi um time à imagem do seu treinador: interessante, mas muito pouco produtivo ou efetivo. Mais ou menos o que o Fernando foi ao longo da carreira, à exceção de jogos como a antológica goleada tricolor sobre o Palmeiras, em São Paulo, onde ele foi o grande destaque do jogo. O que se viu, ontem, foi uma excelente atuação do Fluminense e d...

Resultado X Performance

O Fluminense vem de 1 derrota e 1 vitória nos 2 jogos que fez fora de casa. Acabado o jogo contra o Vitória, descasquei o Abel nas redes sociais. O Fluminense acabava o primeiro tempo perdendo de 1 a 0, exatamente como foi contra o São Paulo. Abel, em vez de fazer a mexida óbvia e que deu resultado contra o São Paulo, não tira os zagueiros e o Fluminense continua jogando mal, com uma posse estéril. Empata numa bola alta, que sobra pra Pedro, que rola pra trás, que Pablo chuta, que bate no Rhayner e que engana o goleiro. E vira em outra bola alta. Pouco futebol, muita sorte. Jogando aquilo ali, briga pra não cair. Aí vem o jogo contra o Botafogo, depois de um jogo fisicamente muito desgastante na altitude. E o Fluminense entra em campo voando. Um massacre. O jogo termina com 55% de posse de...

Cansei de ser enganado!

Jadson abre pra Gilberto, que faz a finta, puxa paro meio e rola para Marcos Júnior, que UUUUHHHHHHHHHH…….. Novamente Jadson, Gilberto, recebe Pedro, abre para Sornoza, que UUUUUUUUUHHHHHHHH… Triangulação, mudança de posição, carrossel, tiki-taka e UUUUUUUUHHHHHHHH!!!!!!!! E tome UUUUUHHHHHH!!!!! Amigos, cansei de ser enganado. O patrão ficou maluco! Eu quero é preço! Só na Ricardo! Sim, sou levado pelas propagandas enganosas/duvidosas desde que as Casas da Banha eram “muito mais você” – desculpem, gerações Millennials, X, Y ou pi, tem no Google ou no museu mais próximo. Em cinco dias, lembrei do Fluminense campeão brasileiro de 2012 por duas vezes. Mostrou, no Everest de Potosí, o brio que transbordava naquele time. E, com uma escalação infinitamente pior, te...

Nunca foi contrapeso

Uma crença bastante difundida entre os tricolores sobre a contratação da dupla Assis e Washington em 1983 é a de que Assis, o maior jogador da história dos Fla-Flus, teria vindo como um mero contrapeso de Washington. Mas não foi bem assim que aconteceu. Ao menos é o que mostram as reportagens da época. Talvez Washington estivesse em maior evidência naquele momento. No Campeonato Brasileiro de 1983, disputado no primeiro semestre, o centroavante havia marcado 13 gols pelo Atlético-PR. Dois deles no jogo de volta da semifinal da competição, contra o Flamengo, quando os paranaenses venceram por 2×0 e quase reverteram a desvantagem de 3×0 sofrida no Rio. Havia ainda o peso da idade. Washington era um jovem de 23 anos com toda uma carreira pela frente. Assis já tinha 30. Ainda assim, ...

Pior para os fatos

Quem está acostumado com meus textos talvez até estranhe. Considero-me um critico combativo a tudo de ruim que vem sendo feito nos últimos ano quando o Fluminense entra em campo. A regra é falar sobre partidas sofríveis, perebas envergando nossa camisa, sucessão de jogos nos quais apresentamos um péssimo futebol, fruto da desastrosa proposta de Fluminense que emana da direção do clube e que vem nos apequenando campeonato após campeonato. Mas hoje é o dia de negar o óbvio. De ir inclusive contra os fatos. Porque eles até costumam seguir a lógica, mas nem sempre é assim. Ontem não foi. Dormir foi difícil. Perder pro Botafogo de Pimpão, Kieza e Lindoso é dose pra mamute. Time sofrível, sem opções viáveis de jogo, com uma camisa que tem lá o seu peso, mas que, honestamente, não mete mais medo ...

Marlon e Abel derrubam o Fluminense

O Fluminense não jogou mal. Nem poderia ser diferente. O adversário era horroroso. Mas não havia ninguém lá tão ruim como o Marlon. Provavelmente é o pior jogador da história do Fluminense. É uma tragédia. O famoso cueca rasgada. Não pode ter na gaveta, que uma hora você usa. Não pode ter no elenco, que uma hora você escala. E o Abel, que montou bem o time, deixou mais uma vez essa nulidade no banco. Aí deu ruim. Responsável direto por mais uma derrota e por destruir uma ótima atuação. Contra um time medíocre. Vamos às notas: JÚLIO CÉSAR – O maior Júlio César da história do futebol está cheio de crédito. Chega a ser covardia culpar o moço, mas gol de escanteio, na pequena área, para quem vou Paulo Victor, é NOTA CINCO. RENATO CHAVES – Um horror. Sempre. Vai melhor de lateral. N...

É só vontade?

Talvez, talvez não, com certeza eu não sou a melhor pessoa pra escrever depois de uma classificação dramática como a que aconteceu na quinta-feira. Quem lê meus textos e me conhece sabe que eu acredito zero nesse negócio de heroísmo, alma e essas subjetividades que assolam o mundo do futebol. Ninguém diz que os grandes times têm alma. Real Madrid, Barcelona, City e, por aqui, o excelente Grêmio quando analisados, encontramos tantos aspectos positivos que alma e vontade de vencer sequer são citados. O primeiro ensinamento de Guardiola a seu grupo de jogadores, assim que chegou ao Bayern, foi relacionado à tal “alma”. Disse ele, que assim que o time perdesse a bola, todos deveriam correr para recuperá-la e que quem não o fizesse estaria fora. Sabem por que? Porque alma, vontade d...

Altitude e atitude

E lá vai o Fluminense morro acima fazer o jogo na maior altitude de sua história, como bem escreveu o João Bolt na última quarta-feira. No meio da crise do gás na Bolívia, o Tricolor busca seu próprio gás a quatro mil metros de altura para defender os 3 a 0 da ida contra o Nacional Potosí. Até seria um placar confortável, caso existisse conforto no Everest. Porém, como desgraça pouca é bobagem em se tratando de Fluminense na altitude, a Conmebol confirmou a partida apenas quando a delegação já estava no meio do caminho, em uma logística pra lá de complicada. O time saiu do Rio sem saber se efetivamente entraria em campo, em virtude de protestos locais. O diretor de futebol, Paulo Autuori, reclamou: – Não podemos aceitar tranquilamente essas mudanças. Paulo, vem cá, senta aqui, meu am...

Histórico do Fluminense jogando na altitude

O retrospecto do Fluminense jogando na altitude até que é bom. Se considerarmos os jogos disputados a mais de 2.500 metros acima do nível do mar (limite para partidas internacionais imposto pela FIFA em medida adotada em 2007, e logo revogada) o Tricolor tem ao longo de sua história 16 confrontos com oito vitórias, três empates e cinco derrotas. A tabela abaixo mostra a relação completa. Data Jogo Local Altitude aprox. 02/04/1950 Fluminense 1 x 1 Ferroviário-BOL La Paz 3640 09/04/1950 Fluminense 2 x 1 Bolívar-BOL La Paz 3640 16/04/1950 Fluminense 2 x 2 Litoral-BOL La Paz 3640 14/07/1957 Fluminense 2 x 1 Seleção de Pichincha-EQU Quito 2850 20/02/2008 Fluminense 0 x 0 LDU-EQU Quito 2850 25/06/2008 Fluminense 2 x 4 LDU-EQU Quito 2850 25/11/2009 Fluminense 1 x 5 LDU-EQU Quito 2850 26/07/2017 F...

Faltam 65!

Faltam 65! Após o jogo no Barradão, Abel deu uma entrevista com a qual concordo. Desta vez o Fluminense não venceu na superação. E não que o Fluminense tenha feito uma partida sem brio, sem doação. Nada disso. Ainda bem que atualmente o time tem jogado com muita vontade e não foi diferente na Bahia. Mas no jogo de domingo nossa equipe venceu porque não se expôs, porque controlou o jogo, principalmente no segundo tempo. Venceu porque jogou melhor, teve mais chances e foi mais organizada que o adversário. Esse time do Fluminense está longe de encantar seu torcedor. Aliás, muito longe. Estava pensando aqui nos gols do time neste início de campeonato. É incrível como temos dificuldade de construir jogadas, de armar contra-ataques eficientes. Exceção do gol de cabeça do Pedro contra o São Paulo...

Fluminense detona o Flamengo baiano: 2 a 1

O jogo de hoje foi um desafio aos comentaristas de resultado, função que assumi com gosto e bom humor aqui neste espaço. Se o Fluminense tivesse perdido, o que quase aconteceu, seria o inferno na terra, estaríamos todos praguejando o Abel, o Pedro, o Marcos Júnio e o inominável Marlon, o pior jogador que já vestiu nossa camisa. E, convenhamos, que com uma certa razão. A vitória, no entanto, muda a cor das tintas e a perspectiva. A gente passa a valorizar o esforço do Abel na intenção de dar um padrão de jogo ao time. E o esforço do time em tentar se encaixar no padrão proposto pelo Abel. O problema é que o time é tão ruim, que o que salva mesmo são o empenho e a dedicação, nossas marcas registradas. E contra time rubronegro, é aquilo: saco. Quando o goleiro deles fez o símbolo da Jovem Fla...