Share This Post

Blog da Fuzarca / Vasco

Valentim: trabalho, e não falatório, é o que salvará o Vasco

Valentim: trabalho, e não falatório, é o que salvará o Vasco

Como ainda estou com muito pouco tempo disponível, assuntos até mais relevantes para o Vasco acabaram passando batidos por esse humilde bloguinho (como a anulação da eleições pra presidente e o recurso que o clube – vulgo, administração Campello – pediu na justiça). Mas essa última foi tão revoltante que não dá pra deixar em branco.

Então o Sr. Alberto Valentim, o técnico-galã, o treinador vascaíno com o pior aproveitamento na década, soltou a seguinte pérola após o indesculpável empate com o Paraná Clube:





Quero fazer apelo para os vascaínos estarem do nosso lado. Vejo a oposição procurando tumultuar. Se somos vascaínos, temos que estar juntos agora. Vamos unir forças: nosso torcedor, diretoria. O presidente está se virando para deixar o Vasco cada dia melhor“.

Não sei o que se passa na cabeça do Valentim – imagino o que não passa: soluções para sua equipe – mas é demais esperar que um falatório subserviente à diretoria sirva para justificar o desempenho do seu time. Pior ainda, misturando política e fazendo acusações diretas à oposição, que, queira ou não, é composta por membros do Conselho Deliberativo, um dos poderes do clube.

Não me lembro de algo parecido ter acontecido. Em crise, o Vasco está há décadas e nunca vi um técnico usar deste expediente. Mesmo quando o clube tinha presidentes menos tolerantes e mesmo técnicos muito mais próximos da diretoria e com mais história dentro de São Januário.

Entendo o desespero do treinador bonitão. Vendo que seu trabalho tem um resultado pífio, arrumar uma desculpa que agrade quem lhe garante o emprego pode ser uma boa prática. Mas deixo um despretensioso conselho para o Valentim: trabalhar mais e melhor e, principalmente, trazer resultados é uma forma muito mais eficiente de se manter no cargo.

Pra terminar, deixo vocês com as palavras de alguém que entende muito de Vasco e, com propriedade, pode falar com muito mais contundência sobre o assunto…

View this post on Instagram

Ontem, após mais um resultado frustrante do nosso Vasco, ouvi declarações muito preocupantes por parte de alguns jogadores e membros da comissão técnica no sentido de dizerem que a “questão política” está atrapalhando o time em campo. Sendo assim, achei justo lembrar que em 94, 97, 2000, 2003 e 2011 o Vasco foi CAMPEÃO! Sendo todos esses anos eleitorais… Torcedor, não se engane com esse discurso. O nome disso é transferência de responsabilidade. Além de tudo, a eleição foi remarcada tem uma semana! Me respondam: O Vasco está na posição que está por causa dessa semana? E como todo respeito ao Paraná, mas o Vasco na situação que está, não pode desperdiçar pontos contra uma equipe que até ontem tinha 16 pontos em 78 possíveis. Com política ou sem política. Não caia nesse discurso, torcedor. Posso falar porque já estive lá dentro e cansei de participar de conquistas em anos eleitorais, alguns com cenários muito mais complicados que o atual. Por isso, faço um pedido àqueles que representam nossa camisa dentro de campo: assumam a responsabilidade da parte que lhes cabe, que é jogar futebol.

A post shared by @ fecalu on

Share This Post

JC Barbosa avatar
Com um pai flamenguista e uma mãe botafoguense, Julio Cesar "JC" Barbosa é a prova viva que ser vascaíno é predestinação, não imposição. Torcedor de estádio, tanto na Colina quanto no antigo Maraca (hoje Arena), escreve sobre o Gigante na internet desde 2007.