Share This Post

Blogs / Fazendo a "de fora"

Libertadores 1981 – Esclarecendo Historicamente.

Libertadores 1981 – Esclarecendo Historicamente.

Há muitas contestações ou tentativas de redução em relação ao título rubro-negro da Libertadores de 1981.

Embora tricolor, e talvez até por conta desta qualidade ímpar (não ia perder esta oportunidade), só me cabe aqui restabelecer a verdade histórica sobre os acontecimentos da época.

1 – Guerra das Malvinas e a não participação de clubes argentinos e uruguaios

Certamente você que está lendo já ouviu falar de que a Libertadores foi mais fácil em 1981 por conta desta guerra e da ausência de clubes de alguns países, ou que então alguns países teriam mandado equipes reservas ou de base para a competição.

Não é verdade.

Em primeiro lugar, pra quem entende um pouquinho de futebol, o conceito de titular e reserva é muito relativo.

Em segundo, embora já houvesse tensão entre a Inglaterra e a Argentina em 1981, a Guerra das Malvinas ocorreu em 1982. Inclusive, esta nem inviabilizou a participação da Argentina na Copa do Mundo deste ano. Absolutamente improvável que isto fosse influenciar clubes de futebol argentinos ou uruguaios um ano antes.

A Argentina mandou, sim, seus representantes para a competição: foram o River Plate e Rosário Central.

Estes participaram do grupo 1 da 1a fase (que hoje chamamos de fase de grupos), que naquela época eram os dois de um país contra os dois de outro e só passava o primeiro colocado para a próxima. Os dois foram eliminados com 7pts cada e o Deportivo Cali, da Colômbia, com 8pts, seguiu na competição.

O Uruguai mandou o Peñarol e o Bella Vista, sendo que o Peñarol foi para a 2a fase e o Nacional, campeão de 1980, ainda se juntou a este num dos grupos da mesma, grupo este vencido pelo Cobreloa, do Chile, tornando-se este finalista, com o Flamengo.

2 – Escândalo da partida de desempate entre Flamengo X Atlético MG

Flamengo e Atlético acabaram a 1a fase no grupo 3 empatados em primeiro lugar com 8pts. Empataram os seus dois jogos nesta fase em 2 a 2. O Flamengo, inclusive, embora isso não fosse levado em consideração para desempate na época, chegou a esta posição com um saldo de gols maior do que o do Atlético MG: 5 a 3.

Assim sendo, foi marcado um jogo extra, no dia 09/08/1981, no Serra Dourada, para desempatar.

O que aconteceu neste jogo é (lamentavelmente) histórico e não preciso ficar aqui detalhando. Com o Atlético MG não tendo o número mínimo de jogadores que a regra exige para a continuação da partida (7), graças às cinco expulsões ocorridas no seu quadro, o jogo foi suspenso. Posteriormente, em julgamento, a Conmebol declarou o Flamengo como vencedor, o que possibilitou a este seguir na competição e vencê-la.

O árbitro era o José Roberto Wright e ele, apesar de atualmente já senil e adoecido, segue afirmando, como sempre, que fez o que deveria fazer e, de fato, ele não fez nada que infringisse as regras do jogo. Vale lembrar que ele era considerado na época e durante muito tempo ainda, quase que de forma unânime, o melhor árbitro brasileiro.

Eu, particularmente, discordo veementemente das decisões tomadas por ele e de como ele conduziu a situação e todos têm o direito de pensar e acreditar no que quiserem sobre aquelas atitudes, mas não me cabe afirmar que ele teve a intenção A ou B, exceto havendo provas definitivas disto.

Hoje, só posso afirmar que ele errou tecnicamente, errou feio, e o Atlético MG acabou, sim, prejudicado.

Em defesa do Flamengo, se é que ela cabe, nada nunca apareceu em relação a qualquer interferência do clube junto à arbitragem e também cabe dizer que o José Roberto Wright era, declaradamente desde àquela época, um dos poucos árbitros que vi admitir isso durante a sua carreira, torcedor do Fluminense. Inclusive, teve cargos de diretoria lá após o fim da sua carreira na arbitragem.

Assim sendo, não há nada comprovado que diminua o título rubro-negro da Libertadores de 1981! É preciso deixar claro isso para a galera que transforma em verdade e julga tudo que recebe sem gastar 5 minutos para entender os fatos, prática muito comum atualmente, infelizmente.

Espero ter acrescentado um pouquinho a todos.

Share This Post

Antônio Ramos avatar
Ex-jogador, auxiliar técnico e instrutor de futebol, escrevendo sobre o tema há mais de 20 anos. Torcedor do Fluminense Football Club.
P