Share This Post

Copa do Brasil / Vasco

Feito sobre o Avaí, em jogo eletrizante, tem aplausos e vaias para um time invicto

Feito sobre o Avaí, em jogo eletrizante, tem aplausos e vaias para um time invicto

Pouco mais de 48 horas da morte de Eurico Miranda, o mais emblemático dirigente do clube, o Vasco honrou o brado de “casaca”: venceu o Avaí, em São Januário, de virada, por 3 a 2, e saiu em vantagem no mata-mata da terceira fase da Copa do Brasil. No jogo de volta, na Ressacada, programado para o dia 10 de abril, o time vascaíno poderá passar à próxima fase com um empate. A vitória do Avaí por um gol de diferença levará a decisão da vaga para a disputa por cobranças de pênaltis.

O Vasco alcançou a marca de 13 partida de invencibilidade (dez vitórias e três empates), mas o resultados não agradou boa parte dos 13.360 torcedores presentes no estádio. Alberto Valentim repetiu a escalação que começou o clássico contra o Flamengo, no último sábado (09), com Thiago Galhardo e Yago Pikachu, e teve problemas para se impor diante de uma bem armada equipe catarinense.

O time sofreu um gol aos 10 minutos, numa falha coletiva da defesa: Getúlio acertou uma cabeçada na trave depois da saída errada de Fernando Miguel, e Pedro Castro aproveitou o rebote para abrir o placar em favor do Avaí. O Vasco, porém, não se intimidou. Passou a se concentrar mais no jogo, foi construindo volume até que, aos 34 minutos, chegou ao empate, em cobrança de falta de Danilo Barcelos – o terceiro dele com bola parada no ano.

Valentim fez duas alterações no intervalo que melhoraram o time: o meia Bruno César entrou no lugar do volante Raul, e o atacante Rossi entrou no lugar de Marrony. Deu certo! Aos 11 minutos, Danilo Barcelos cruzou e Rossi mandou pra rede de cabeça. O time tomou conta do jogo, aumentou a troca de passes e, aos 26, fez o terceiro na cabeçada de Thiago Galhardo, escorando duas vezes um córner cobrado por Bruno César.

O time catarinense dirigido pelo experiente Geninho, técnico do Vasco em 2004, não se intimidou e empurrou os donos da casa para o campo de defesa. Primeiro com chutes de fora da área, depois com a troca de passes. Tanto fez que acabou premiado com um gol de André Moritz, aos 39 minutos, em outro cochilo na marcação. Insatisfeita com a troca de Thiago Galhardo por Andrey, pouco antes deste gol, a torcida passou a hostilizar Valentim.

Atitude condenada pelo zagueiro Leandro Castán, capitão do time.

“Fomos buscar a virada, acho que o segundo gol (do Avaí) era muito evitável. Treinamos essa jogada de cruzamento. A culpa não é do treinador! Quem entra no jogo tem de fazer o que é determinado. Sabemos que não podemos tomar um gol desse. Copa é diferente de pontos corridos, tomara que não faça falta lá em Santa Catarina. Não tenho que culpar ninguém, no vestiário a gente conversa”.

O meia Thiago Galhardo também expressou a felicidade pelo gol. E relatou cansaço por conta do condicionamento físico, que ainda não é dos melhores, após a lesão que o deixou fora dos gramados.

“Estou muito feliz pelo gol, busco a todo tempo. Reconheço que depois que voltei da lesão não havia recuperado meu futebol. Consegui fazer o gol de cabeça, coisa que o Alberto (Valentim) me pede bastante, de chegar na área.”

Durante a entrevista coletiva, Valentim revelou que o meia pediu pra sair, por isso fez a substituição que causou revolta na torcida.

“O Thiago já não estava bem fisicamente, me pede para sair. Minutos antes ele me pede para sair. Eu fico vendo as alterações que eu poderia ter feito e as que eu fiz, mas hoje eu não vejo que o Lucas poderia entrar. “Nós não tomamos o gol pela entrada do Andrey. O Avaí não diminuiu essa vantagem porque não entrou o Lucas Santos ou qualquer outro jogador.”

DESCANSE EM PAZ…

O Vasco foi a campo com uma camisa que homenageava Eurico Miranda e fez um foguetório na entrada do time em campo, como o ex-dirigente costumava fazer nos jogos importantes em São Januário. O presidente do Conselho de Beneméritos esteve na presidência do clube durante nove anos (2003-2008 e 2015-2017), além de ter ocupado a vice-presidência de futebol entre 1986 e 2000, sempre na gestão de Antônio Soares Calçada. Eurico  faleceu no final da manhã da última terça-feira (13), vítima de complicações de um câncer no cérebro.

FICHA TÉCNICA / JORNAL LANCE!
VASCO 3 x 2 AVAÍ

Estádio: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP) Nota L!: 4,5 – Não coibiu a violência d
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)
Público / Renda: 12.923 pagantes (13.360 presentes) / R$ 288.692,00
Cartões amarelos: Betão e Glédson (AVA)

Gols: Pedro Castro, 10/1º T (0-1), Danilo Barcelos, 34/1º T (1-1), Rossi, 11/2º T (2-1), Thiago Galhardo, 26/2ºT (3-1) e André Moritz, 39/2ºT (3-2)

VASCO: Fernando Miguel; Raúl Cáceres, Werley, Leandro Castan e Danilo Barcellos; Raul (Bruno César, intervalo), Lucas Mineiro, Thiago Galhardo (Andrey, 39/2ºT), Marrony (Rossi, intervalo) e Yago Pikachu; Maxi López. Técnico:Alberto Valentim

AVAÍ: Glédson; Alex Silva, Marquinhos Silva, Betão e Iury (Lourenço, 25/2º T); Ricardo (Luan Pereira, 29/2ºT), Pedro Castro, Matheus Barbosa (André Moritz, 39/2ºT) e João Paulo; Getúlio e Daniel Amorim. Técnico: Geninho

FOTO: Rafael Ribeiro/Vasco

REDAÇÃO: Futebolzinho.com

Share This Post

Fernanda Vidon avatar
Carioca, 18 anos. Cursando jornalismo ou, eu diria... vivendo um sonho! Na cobertura do Vasco pelo Futebolzinho. Além disso, apaixonada por rap br e auto conhecimento. "Prometa a si mesmo que terá uma vida incrível e o Universo entenderá o recado."
P