Share This Post

Fluminense

Jogadores voltam a ‘cruzar os braços’ por conta do atraso no pagamentos dos salários…

Jogadores voltam a ‘cruzar os braços’ por conta do atraso no pagamentos dos salários…

Os jogadores do Fluminense não treinaram na sexta-feira (15) como forma de protesto em razão de salários atrasados e a expectativa agora é pela atividade transferida para a tarde deste sábado – estava anteriormente prevista para a parte da manhã. O time de Fernando Diniz faz o clássico contra o Botafogo neste domingo (16), pela 4ª rodada da Taça Rio.

Não é a primeira vez que o elenco tricolor faz esse tipo de protesto. Em fevereiro, mais precisamente no dia 19, dias depois da final da Taça Guanabara, os jogadores também se negaram ir a campo, decisão aceita pela cúpula do futebol, que imediatamente se manifestou compreendendo a postura. No dia seguinte, os treinos ocorreram normalmente e na mesma semana o clube providenciou o pagamento de parte dos atrasados.

Nesta sexta-feira, os atletas se decidiram pela paralisação em reunião no Centro de Treinamento Pedro Antônio, durante a atividade fechada à imprensa. Na última quarta-feira (13), a direção voltou a pagar parte dos salários referente a janeiro de funcionários e jogadores, desta vez limitando-o a R$ 5,5 mil por pessoa. O fato amenizou os efeitos, mas não resolveu o problema. A direção ainda tem as seguintes pendências com o elenco:

  • CLT: 13º e férias de 2018 e janeiro (pagou R$ 5,5 mil por pessoa) e fevereiro de 2019 (excluindo janeiro dos reforços).
  • Direitos de imagem (apenas alguns jogadores recebem): novembro e dezembro de 2018 e janeiro e fevereiro de 2019 (excluindo janeiro dos reforços).

Os atrasos de salários têm sido problema recorrente no clube desde o fim da parceria com a Unimed, que movimentou o futebol tricolor entre 1999 e 2014. Em razão das dificuldades financeiras e das poucas fontes de renda, os dirigentes mostram dificuldades no fluxo de caixa e não conseguem recursos para arcar com a folha salarial do futebol, hoje em torno dos R$ 4 milhões mensais.

O presidente Pedro Abad está em Portugal tentando novas recursos, mas, em sua última manifestação pública, prometeu pagar o devido, mostrando irritação com a exposição do tema na imprensa.

FONTE: Globoesporte.com

REDAÇÃO: Futebolzinho.com

FOTO: Lucas Merçon/FFC

Share This Post

P