Blogs

Bom futebol X Eficiência

Fluminense e Botafogo fizeram no sábado um daqueles jogos muito atípicos, que as pessoas costumam falar que geram a paixão pelo futebol. Paixão dos torcedores vencedores, claro. Existe o conceito de times que jogam mal e vencem. Na minha visão, times jogam mal e vencem porque o outro foi pior de alguma forma e o único jogo vencido injustamente é aquele em que a arbitragem não garante a justiça da regra. Assim sendo, não pode ser considerada injusta a vitória do Botafogo, mesmo com todos os números, e até mesmo a olho nú, sem a frieza quantitativa, indicando uma superioridade grande do Fluminense durante a partida. Começando pelos perdedores, o Fluminense fez o melhor primeiro tempo, no que diz respeito ao aspecto tático, desde que o Diniz chegou. E isso não foi por acaso. Ele corrigiu erro...

Sidão foi UM dos problemas do Vasco na derrota para o Santos

Sidão falhou muito, mas o time todo foi péssimo no Pacaembu (foto: www.vasco.com.br) A atuação catastrófica do Sidão na derrota do Vasco para o Santos por 3 a 0 não é justificativa para a humilhação pública que o goleiro foi obrigado a passar para o “entretenimento” dos telespectadores. Não é a primeira vez que um veículo das Organizações Globo expõe um profissional à vergonha. Já tinha feito o mesmo em outras entregas do troféu “Craque do Jogo” para atletas que venceram a votação popular por ironia da audiência e, no caso mais grave, espezinhou o goleiro Muralha por meses a fio nas páginas do jornal Extra. Mas isso não tem nenhuma relação com a atuação do Vasco na partida. Aliás, essa história toda – incluindo a tentativa da Rede Globo de limpar a própria barra depois de ter feito a beste...

VAR feito para errar (rimou!!!)

Ontem tivemos mais um episódio da saga do “como algo feito para minimizar erros, pode potencializá-los”. – Ahh, Antônio, você só tá reclamando agora porque aconteceu contra o seu time … Não é verdade! Quem me dá o prazer de ler o que escrevo, sabe muito bem que estou criticando o VAR desde que fiquei sabendo a forma como ele seria implementado. E aí cabe um esclarecimento: não sou contra o VAR, muito pelo contrário, sou muito a favor, adoro ver os erros de arbitragem serem dirimidos e a justiça sendo feita em todas as modalidades esportivas em que foi implementado. Acho que justiça no esporte (e na vida em geral) é fundamental e acho mesmo que o VAR é o caminho. Comemorei efusivamente que a pressionada FIFA, com todos os escândalos que ela vem protagonizando sob a f...

Libertadores 1981 – Esclarecendo Historicamente.

Há muitas contestações ou tentativas de redução em relação ao título rubro-negro da Libertadores de 1981. Embora tricolor, e talvez até por conta desta qualidade ímpar (não ia perder esta oportunidade), só me cabe aqui restabelecer a verdade histórica sobre os acontecimentos da época. 1 – Guerra das Malvinas e a não participação de clubes argentinos e uruguaios Certamente você que está lendo já ouviu falar de que a Libertadores foi mais fácil em 1981 por conta desta guerra e da ausência de clubes de alguns países, ou que então alguns países teriam mandado equipes reservas ou de base para a competição. Não é verdade. Em primeiro lugar, pra quem entende um pouquinho de futebol, o conceito de titular e reserva é muito relativo. Em segundo, embora já houvesse tensão entre a Inglaterra e ...

Um castelo de areia não suporta o tsunami

O título vem de uma música chamada “Hat-Trick”, de Djonga, cantor de rap nacionalmente conhecido. Antes do verso que inspirou este post, há outro com as seguintes palavras: ‘Perca para um grande adversário, não para a sua incompetência’. O Vasco, nesta final de Campeonato Carioca, acabou perdendo para os dois. Mas foi a incompetência do Cruz-Maltino que pautou o título rubro-negro. O técnico Alberto Valentim ficou para 2019. Fez a pré-temporada, ganhou reforços em que participou das escolhas e teve tempo para trabalhar. Mesmo pressionado pela campanha pífia (33% de aproveitamento) em 2018, a diretoria resolveu bancar a permanência do comandante que reintegrou um lateral-esquerdo afastado e o tornou o camisa 10 do time acreditando que ele era o homem mais adequado pa...

Santos quer Maxi López para ser o ‘camisa 9’ do time de Sampaoli

A relação entre Vasco e Maxi López em 2019 está abalada. A lua de mel de 2018 vem dando lugar a insatisfações com a diretoria pela renovação ter emperrado, com o técnico Alberto Valentim pelas decisões e a barração em algumas partidas e também um desempenho abaixo do esperado em campo. Os fatores, monitorados de perto, fizeram o Santos se interessar pelo argentino de 35 anos, que tem contrato até o fim de 2019. O time de Sampaoli, admirador do futebol de Maxi López, é cobrado por um “camisa 9” e as informações que chegam de Santos é que o Peixe vê no centroavante a peça ideal para ocupar a vaga: experiência e qualidade num time cheio de garotos talentosos. Maxi López tem um grande carinho pelo Vasco. Se sentiu acolhido e tinha até a intenção de se aposentar no clube. Mas os trâmites de sua...

Dossiê Maxi López: a verdade desde a chegada ao atual cenário do argentino em São Januário

A relação que deu certo em 2018, com o argentino sendo o principal responsável pela permanência do Cruz-Maltino na Série A, está abalada. E a reportagem do “Os Donos da Bola”, da Band, foi a fundo para responder a pergunta que não sai da cabeça dos vascaínos: o que está acontecendo entre Vasco e Maxi López? De forma cronológica, a reportagem preparou uma matéria especial com detalhes jamais revelados sobre a chegada de Maxi ao Vasco, a boa fase vivida, as propostas que o argentino recebeu no fim de 2018 e, finalmente, a renovação de contrato que vem gerando polêmica e chateando o centroavante. A CHEGADA A diretoria do Vasco, junto à “Turma do Quiosque”, grupo liderado por Fernando, o “Zé Colmeia”, vascaínos ilustres e representantes da empresa Life Pro, ...

Conheça Bananapona!

Poucos ouviram falar em Bananapona, um lugar tropical na idade média. Na verdade, poucos acreditam que ela tenha realmente um dia existido. Existe uma fábula sobre esta terra que pode parecer muito atual, mesmo partindo do imaginário de quem a conheceu ou simplesmente a inventou. – Não entendi, uma fábula? Uma terra de animais que falam e se comportam como gente? Não, acho que me expressei mal. Melhor dizer que é uma anti-fábula, onde homens falam como gente, mas se comportam como animais. Pra entender melhor, vamos a ela: Bananapona, como toda sociedade normal, tinha um esporte pátrio, que foi batizado, no seu idioma, herdado de seus descobridores, uma mistura de dialeto mouro com anglo-saxão, como “enxaq”. O enxaq era uma espécie de futebol americano sem bola, em que os...

Detalhes de mais um Fla x Flu

Meu trabalho não permitiria chegar ao Maracanã no horário do jogo, então não comprei ingresso antecipadamente. Consegui sair, muito excepcionalmente, pouco antes das 20 horas. E até pensei em encarar um metrô e tentar arrumar um ingresso nas imediações do estádio. Mas como a possibilidade de conseguir algum lá me parecia pouco provável, corri pra arrumar uma mesa num boteco com TV em Botafogo, o já tradicional Zuzu Goró. Peguei a última que sobrou, longe pra Carlinhos da TV pequenininha, e lutei de forma hercúlea para manter duas cadeiras a mais na mesa para amigos que estavam vindo. Foram diversas abordagens: – O senhor vai usar esta cadeira? – Vou sim, queridos … O amigo “garçom” me cumprimenta e vai logo dizendo: – Ramos, tô sem Heineken. Vai de Brahm...

Um gesto enorme numa camisa gigante

E o Vasco mostra mais uma vez sua incrível vocação de tirar polêmicas de onde não deveriam existir com a homenagem que fez ao Flamengo, estampando a bandeira do rubro-negro em sua camisa. De um modo geral, o gesto foi visto como mais um dos muitos gestos de grandeza do Gigante da Colina. Mas, como não poderia deixar de ser, muitos torcedores – incluindo aí dirigentes do clube – ficaram revoltados. Para eles, foi como macular um símbolo vascaíno. A homenagem poderia ser outra? Claro. O nome ou foto das vítimas do incêndio no Ninho do Urubu seria algo mais adequado e, porque não dizer, justo. Mas é preciso levar em consideração que a homenagem não foi apenas a inclusão da bandeira na camisa. As camisas também serão leiloadas e a renda revertida em benefício das comunidades do Vidigal e da Ro...

Uma carta para a molecada do Vasco

E aí, molecada? Como está a galera toda? Imagino que vocês estejam passando por um momento confuso. O misto de frustração e orgulho é natural depois de uma final como a de ontem. Os elogios vindos de todos pelo belíssimo futebol apresentado durante a Copinha deve ter deixado vocês muito felizes. Mas perder a final, ainda mais depois do segundo tempo que fizeram contra o São Paulo, deve ter sido a maior ducha de água fria das suas ainda iniciantes carreiras. Mas segue meu conselho não requisitado: se atenham ao lado positivo de tudo isso. Ter dado esperança de um futuro melhor para milhões de vascaínos pelo mundo vale muito mais que qualquer título de base. Com o que fizeram em campo, vocês resgataram algo que o torcedor do Vasco não via há muitos anos, pelo menos desde 2011. A CERTEZA que ...

Sobre o Maracanã, Wembley e Acrópoles

Durante anos a fio os ingleses se orgulham do estádio de Wembley, em Londres. Aquele que só abria para jogos da seleção inglesa, um show para multidões ou uma ou outra final de campeonato. Na verdade, a decisão sobre quais jogos seriam disputados lá era praticamente monárquica. Talvez uma das poucas coisas em que dava palpite a tão simbólica realeza inglesa, inútil no sentido de poder e decisão dos destinos nacionais, mas um reduto de orgulho popular, tendo papel preponderante no direcionamento da nação para os aspectos culturais mais tradicionais. Conta-me um amigo contemporâneo inglês, não consegui confirmação sobre isso, que a caríssima e deficitária manutenção do estádio fazia parte do orçamento da realeza, alguns bilhões de libras para sustentar todo aquela “soap opera” me...

P